Bonat coloca dois no banco dos réus da Lava Jato por esquema que movimentou mais de R$ 100 mi em propina

Bonat coloca dois no banco dos réus da Lava Jato por esquema que movimentou mais de R$ 100 mi em propina

Ex-presidente da Jurong no Brasil, Martin Cheah Kok Choon, e o operador financeiro Guilherme Esteves foram denunciados pelo Ministério Público Federal por corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo sete contratos de afretamento de sondas firmados com a Petrobras

Paulo Roberto Netto

30 de maio de 2020 | 18h09

O juiz Luiz Antonio Bonat da 13ª Vara Federal de Curitiba colocou no banco dos réus da Lava Jato o ex-presidente do grupo Jurong no Brasil, Martin Cheah Kok Choon e o operador financeiro Guilherme Esteves de Jesus. Eles foram denunciados pelo Ministério Público Federal por esquema que movimentou mais de R$ 100 milhões em propinas a partir de sete contratos de afretamento de sondas firmados com a Petrobrás.

De acordo com a Lava Jato, Guilherme Esteves realizou uma série de pagamento de propinas com o conhecimento e autorização do presidente da Jurong no Brasil para obter os contratos com a estatal, cujos valores ultrapassaram R$ 33 bilhões.

Documento

As vantagens ilícitas eram transferidas a partir de contas secretas mantidas pelo operador em Liechtenstein, principado europeu conhecido por ser um paraíso fiscal. As propinas caíam em contas secretas na Suíça mantidas pelos ex-executivos da Petrobras Renato Duque, Pedro Barusco e Eduardo Musa.

Parte dos lucros obtidos com os contratos foram repassados por Guilherme Esteves a Martin Chon por contas não declaradas mantidas por ambos em nome de off-shores. Mais de US$ 9 milhões foram transferidos do operador para o presidente do grupo Jurong.

Estaleiro Jurong, no Espírito Santo, fechou seis contratos com Sete Brasil / Foto: Banco de Imagens do EJA

O crime de lavagem de dinheiro ficou configurado pela série de transferências bancárias entre várias contas secretas no exterior, cujo objetivo final era criar um maior distanciamento entre a origem e o destino das propinas e dificultar o rastreamento dos valores por autoridades.

A Lava Jato rastreou os valores ilícitos desviados do Brasil e identificou transferências realizadas no exterior que totalizam US$ 24.507.238,65, equivalente a mais de R$ 100 milhões.

COM A PALAVRA, OS DENUNCIADOS
A reportagem busca contato com a defesa dos denunciados. O espaço está aberto a manifestações (paulo.netto@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoJustiçaCuritiba [PR]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: