Bolsonaro não vetou itens do pacote anticrime para proteger Flávio, sugere Moro

Bolsonaro não vetou itens do pacote anticrime para proteger Flávio, sugere Moro

Em entrevista à Crusoé, ex-ministro da Justiça disse que a postura do presidente de não acolher os vetos que sugeriu é incoerente com o discurso contra corrupção; 'o discurso para os eleitores é um, e a prática é outra bastante diferente', afirmou

Redação

29 de maio de 2020 | 13h55

O presidente da República, Jair Bolsonaro, os ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ex-ministro Sergio Moro. Foto: Gabriela Biló / Estadão

O ex-ministro da Justiça Sérgio Moro sugeriu que o presidente Jair Bolsonaro não vetou itens do pacote anticrime que limitaram acordos de delação premiada e a decretação de prisão preventiva para proteger seu filho mais velho Flávio.

Em entrevista à revista Crusoé, o ex-juiz disse que achou estranho o fato de o presidente não ter barrado as restrições, uma vez que, em sua avaliação, batem com o discurso contra a corrução e impunidade.

Logo em seguida, Moro indicou que as decisões do presidente quanto ao projeto se deram em dezembro, mesmo mês em que a Polícia Federal fez buscas em endereços ligados ao filho do senador na investigação sobre rachadinhas em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio.

O ex-ministro da Justiça apontou que sugeriu vetos a tais dispositivos, mas os mesmos não foram acolhidos para o presidente. Segundo ele, a postura foi ‘incoerente’. Moro caracterizou da mesma maneira as recentes alianças do presidente ‘personagens que não se destacam exatamente pela imagem de probidade’.

“Acho isso um tanto peculiar porque o discurso para os eleitores é um, e a prática é outra bastante diferente”, afirmou Moro à Crusoé.

Bolsonaro tem se aproximado de nomes ligados ao Centrão, inclusive distribuindo cargos no governo. Um desses novos aliados, por exemplo, é o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, que foi preso no Mensalão e alvo da Polícia Federal no âmbito do inquérito das fake news.

O ex-ministro compartilhou a entrevista em seu perfil no Twitter e afirmou que espera que as declarações sobre sua saída do governo Bolsonaro ‘motivem o presidente a se empenhar de fato na construção de uma agenda anticorrupção junto ao Congresso e a preservar a autonomia das agências policiais’.

Ao anunciar sua demissão no fim do mês passado, Moro acusou o presidente de tentativa de interferência política na Polícia Federal. As declarações motivaram a abertura de um inquérito junto ao Supremo Tribunal Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: