Boa gestão é vital para iniciativas de impacto social

Sabine Zink*

20 de fevereiro de 2021 | 04h00

A dedicação em ser referência em transformação social está entre os objetivos que mais se destacam dentro das organizações do terceiro setor. No entanto, para o sucesso de uma iniciativa sem fins lucrativos, é necessário muito mais do que a vontade de fazer a diferença e combater um problema social. Isso porque apenas um bom propósito não resolve tudo.

Com a evolução das discussões sobre empreendedorismo e negócios de impacto, é vital para uma instituição social se estruturar de forma semelhante a qualquer outro negócio. Adotar estratégias de engajamento da equipe e criar uma gestão bem estruturada são atividades essenciais, ainda que pouco valorizadas pelo setor.

É indispensável que as organizações sem fins lucrativos tenham um planejamento estratégico bem estruturado para que possam alcançar suas metas e principalmente ganhar escala, sendo incentivadas por apoiadores notáveis. Para isso, é primordial enxergar o projeto e todas as suas atuações de maneira unificada. Como qualquer outra corporação, é preciso determinar KPIs e estes devem ser aplicados desde o CEO até o último voluntário.

O sentimento de liderança é outra força dentro de uma boa gestão. Para isso, é importante ter um líder que inspire e desperte o interesse de cada voluntário e parceiro. Nesse sentido, é muito importante que a figura dos fundadores ou diretores da instituição seja sinônimo de clareza e motivação, de forma que cada profissional ou voluntário envolvido se sinta parte do propósito e saiba exatamente o que se espera de cada um.

Outro caminho a ser seguido é estabelecer metas trimestrais que sejam objetivas, viáveis e mensuráveis. E, mais do que isso, compartilhar tais metas com todos os envolvidos, adotando estratégias de avaliação para cada setor e pessoa, tudo de maneira transparente e justa. Além disso, a avaliação comportamental de todos os integrantes de uma entidade do terceiro setor torna a gestão muito mais concisa. Esse modelo deve se basear nos princípios e valores de cada instituição.

Também é crucial aplicar soluções que garantam um ROI, o retorno sobre o investimento, de forma que a organização, além de referência, tenha escalabilidade e alcance seus objetivos voltados ao benefício social.

É preciso ter um olhar empreendedor, mensurando o sucesso dos projetos tanto em escala empresarial como social e assim realizar cada ação de maneira concisa para a geração de impacto.

*Sabine Zink é cofundadora do SAS Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.