Blairo declarou ao TSE aumento de R$ 120 mi em bens em 4 anos

Blairo declarou ao TSE aumento de R$ 120 mi em bens em 4 anos

Investigado por organização criminosa após delação de seu sucessor no governo de Mato Grosso, atual ministro da Agricultura registrou patrimônio de R$ 33.444.394,07 em 2006, ao candidatar-se ao Palácio Paiaguás; em 2010, ao concorrer ao Senado, R$ 152.470.034,00

Julia Affonso e Luiz Vassallo

31 Agosto 2017 | 05h00

Blairo Maggi. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O ministro Blairo Maggi (PP-MT), da Agricultura, informou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que seus bens aumentaram em quase R$ 120 milhões em quatro anos. Um aumento de 355% entre 2006 e 2010.

Há 11 anos, Blairo candidatou-se ao Governo de Mato Grosso, pelo PPS, e declarou R$ 33.444.394,07 em bens. Ao concorrer ao Senado, pelo PR, em 2010, o total de bens foi a R$ 152.470.034,00.

Na diferença de R$ 119.025.639,93, em quatro anos, está incluída a participação de Blairo em 999 quotas da empresa BBM Administração e Participação LTDA no valor de R$ 109.197.109,00. Fazem parte do quadro da BBM – ‘holdings de instituições não-financeiras’ -, além do ministro, sua mulher e seus filhos. A empresa foi aberta em 28 de setembro de 2007.

Silval diz que herdou de Blairo propinas de 40% em precatórios de empresa

Blairo pagou R$ 4 mi por apoio do PMDB a apadrinhado político, diz delator

Janot aponta Blairo, da Agricultura, como líder de organização criminosa

Também faz parte desta lista ‘quotas ou quinhões’ da empresa Hermasa Nav. Da Amazônia, de ‘transporte por navegação interior de carga, intermunicipal, interestadual e internacional, exceto travessia’. Blairo declarou R$ 3.960.117,31 relacionados à empresa.

A participação de 15% no capital social da Maggi Energia valia R$ 929.999,00 em 2006. Quatro anos mais tarde, R$ 1.508.630,00.

Blairo declarou, em 2010, ter adquirido a Fazenda Pirapora, de Guilherme Linares Nolasco – atual presidente do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso. O valor: R$ 1.069.500,00.

Delação. Blairo é investigado por organização criminosa em inquérito perante o Supremo Tribunal Federal (STF). Seu sucessor, o ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa, confessou em delação premiada ter intermediado repasse de R$ 4 milhões, a pedido de Blairo e do ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, ao deputado federal Carlos Bezerra, em 2008, com o fim de comprar apoio do PMDB nas eleições municipais. À época, segundo Silval, o partido teria declarado apoio ao adversário do aliado de Blairo.

Segundo o delator, em 2008, ‘antes da campanha para a prefeitura de Cuiabá’, o então governador do Mato Grosso Blairo Maggi e o candidato a prefeito Mauro Mendes teriam o procurado para pedir que ‘intercedesse’ pelo apoio do PMDB.

Silval diz ter se reunido com ‘Carlos Bezerra, que hoje é deputado federal, pedindo para que o PMDB apoiasse Mauro Mendes, tendo Carlos Bezerra dito que apoiaria somente se Blaioro e Mauro Mendes entregassem R$ 4 milhões de reais para o PMDB’.

COM A PALAVRA, BLAIRO MAGGI

NOTA

Atendendo à demanda referente à evolução patrimonial do ministro Blairo Maggi, o que temos a tratar, segue:

A constar, a evolução patrimonial do ministro Blairo Maggi entre os anos de 2001 a 2010 é facilmente comprovada pelo recebimento dos dividendos da empresa Amaggi, a 39ª maior do país (com capital exclusivamente nacional) e, em 2009, pelo recebimento de herança da família, pelo falecimento do sr. André Maggi, pai do ministro Blairo Maggi e criador da companhia.

Mais conteúdo sobre:

Blairo Maggi