Bilionário projeto de submarino da Odebrecht também está na mira da Omertà

Bilionário projeto de submarino da Odebrecht também está na mira da Omertà

35ª fase da Lava Jato, que levou o ex-ministro Antonio Palocci para a cadeira, nesta segunda, 26, tem entre suas cinco frentes de benefícios construção de submarinos

Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Julia Affonso

26 de setembro de 2016 | 10h40

palocci prosub

A 35ª fase da Operação Lava Jato tem como uma das frentes de apuração de suposto benefício obtido pelo grupo Odebrecht por intermédio do ex-ministro Antonio Palocci, preso nesta segunda-feira, 26, está o projeto de construção de submarino nuclear.

“Nos leva a crer que as vantagens que a Odebrecht obteve no projeto dos submarinos estaria vinculado aos valores pagos a Palocci, afirmou o delegado da Polícia Federal Filipe Hille Pace.

“A partir da análise detalhada de e-mails e anotações registradas em celulares apreendidos, verificaram-se evidências de que o ex-ministro Antônio Palocci – contando com importante e constante auxílio de seu assessor Branislav Kontic – atuou em favor dos interesses do Grupo Odebrecht, entre 2006 e o final de 2013, interferindo em decisões tomadas pelo governo federal. A atuação de Palocci se deu inclusive no período em que exerceu relevantes funções públicas, envolvendo constante interlocução e diversos encontros”, informou o Ministério Público Federal.

“Identificou-se que Antônio Palocci tratava com a empreiteira assuntos atinentes a pelo menos quatro diferentes esferas da administração pública federal: a) a obtenção de contratos com a Petrobrás relativamente a sondas do pré-sal; b) a medida provisória destinada a conceder benefícios tributários ao grupo econômico Odebrecht (MP 460/2009) c) negócios envolvendo programa de desenvolvimento de submarino nuclear – PROSUB; d) e financiamento do BNDES para obras a serem realizadas em Angola.”

trecho pedido palocci sub

Nas mensagens de celular de Marcelo Bahia Odebrecht foram encontradas referências a Prosub e Italiano.

agenda odeb prosub

O projeto envolve uma parceria entre a Odebrecht e a estatal Amazul (Amazônia Axul Tecnologias de Defesa), na formação da empresa Próton. O Prosub (Programa de Desenvolvimento de Submarino) começou em 2008, após um acordo firmado entre os governos da França e do Brasil. A meta é construir quatro submarinos convencionais e um nuclear em um estaleiro no Rio de Janeiro. Um negócio de R$ 27 bilhões, total.

“O Relatório de Análise de Polícia Judiciária nº 124/2016 permitiu explicar outros aspectos dos pagamentos relacionados na planilha e solicitados por Antonio Palocci”, informou a Polícia Federal, em seu pedido de prisão de Palocci.

“Em e-mails encontrados e colacionados abaixo, Romildo Santos, diretor-superintende do PROSUB na Odebrecht, encaminhou para Benedicto Barbosa da Silva Júnior, líder empresarial da Odebrecht Ingraestrutura, documentos para encontro de Marcelo Bahia Odebrecht com Antonio Palocci Filho (Italiano), relativo ao PROSUB – Programa de Desenvolvimento de Submarino, responsável pela produção do primeiro submarino de propulsão nuclear do Brasil.”

prosub vaccari

As investigações apontaram, ainda, evidências de que a atuação do ex-ministro e de Branislav ocorreu mediante o recebimento de propinas pagas pelo grupo empresarial, dentro de um contexto de uma espécie de “caixa geral” de recursos ilícitos que se estabeleceu entre a Odebrecht e o Partido dos Trabalhadores (PT). Conforme planilha apreendida durante a operação, identificou-se que entre 2008 e o final de 2013, foram pagos mais de R$ 128 milhões ao PT e seus agentes, incluindo Palocci. Remanesceu, ainda, em outubro de 2013, um saldo de propina de R$ 70 milhões, valores estes que eram destinados também ao ex-ministro para que ele os gerisse no interesse do Partido dos Trabalhadores.

COM A PALAVRA, A AMAZUL

“Gostaríamos de prestar os seguintes esclarecimentos sobre a matéria “Bilionário projeto de submarino da Odebrecht também está na mira da Omertá”, publicada no site do Estadão, que contém informações imprecisas e incorretas sobre a Amazul.

1) A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. não é responsável pelo ProSub e nem pela construção dos submarinos convencionais e nuclear. A empresa, constituída em 2013, desenvolve tecnologias para o Programa Nuclear da Marinha, Programa de Desenvolvimento de Submarinos (ProSub) e Programa Nuclear Brasileiro.

2) O Conselho de Administração da Amazul aprovou a constituição da empresa Próton, que teria a participação da Odebrecht Defesa e Tecnologia (ODT) e da Amazul (minoritária). Mas a constituição da Próton depende da aprovação da Marinha do Brasil, cujo Almirantado (Alto Comando) determinou que se aprofundem os estudos sobre esse assunto, para que a melhor decisão seja tomada

3) O objetivo da Próton, caso fosse criada, seria o desenvolvimento de tecnologias não nucleares para o ProSub.

4) A Próton foi idealizada para fortalecer a Base Industrial de Defesa, além de atuar de forma flexível e ágil nesse mercado, gerando oportunidades, inclusive, para outras empresas do setor, em complemento à atuação da “Amazul”.

Atenciosamente

Charles Magno Medeiros
Assessoria de Imprensa da Amazul

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.