Big Data na expansão tecnológica da logística

Big Data na expansão tecnológica da logística

Antonio Wrobleski*

12 de abril de 2021 | 04h15

Antonio Wrobleski. FOTO: DIVULGAÇÃO

A expansão tecnológica tem feito parte da grande maioria dos negócios desde que a pandemia começou. Não há como pensar em um futuro cada vez mais avançado sem esse tipo de tecnologia. A logística também precisou se reinventar e investir em softwares que atendessem o crescimento constante dos e-commerces no período. O Big Data, sistema de armazenamento de quantidades massivas de dados processados em alta velocidade, já é uma dessas realidades na área.

As informações adquiridas em toda cadeia logística, desde a realização do pedido por parte do consumidor até a entrega em si, são armazenadas de forma otimizada pelos sistemas de automação. Esses registros passam a ser considerados elementos estratégicos, a fim de trazer respostas relevantes e contribuir com a tomada de decisão da empresa.

Porém, é preciso que as transportadoras logísticas entendam a importância desse tipo de tecnologia, enxergando os benefícios em toda a operação com base no melhor processamento e controle dos dados obtidos. Resumindo, cada vez mais o Big Data, a Inteligência Artificial e a Internet das Coisas farão parte das estratégias dos negócios, então quanto antes iniciar esse processo, melhor.

Esses softwares de gestão promovem a tradução dos dados recebidos, transformando-os em redução de custos operacionais, otimização de colaboradores e recursos, assertividade, diminuição de prazo de entrega, etc. Com o acúmulo das informações em decorrência do machine learning, existe a possibilidade de colocar esses dados à disposição do mercado, ampliando as estratégias e o próprio negócio.

Vale ressaltar a necessidade de se adequar às diretrizes da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), mas ao mesmo tempo aproveitar as vantagens de investir em Big Data, que traz indicadores fundamentais sobre o desempenho em logística. Afinal, processar de forma eficiente esses dados faz com que o comportamento do consumidor e novas tendências de mercado sejam identificados mais rapidamente, trazendo um diferencial competitivo.

*Antonio Wrobleski, presidente do Conselho de Administração da Pathfind. Engenheiro, com MBA na NYU (New York University), também faz parte do Conselho da BBM Logística e e sócio da Awro Logística e Participações

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.