Bicentenário do Peru: precisamos reconhecer a natureza empreendedora e resiliente do imigrante peruano

Bicentenário do Peru: precisamos reconhecer a natureza empreendedora e resiliente do imigrante peruano

César Augusto de las Casas*

28 de julho de 2021 | 06h30

César Augusto de las Casas. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Ser imigrante peruano no Brasil vai muito além de tocar flauta no centro das cidades e expor nosso artesanato. Somos mais de 55 mil, que contribuímos economicamente com o país e, inclusive, com pesquisa científica no combate ao novo coronavírus. O peruano conseguiu se adaptar muito ao país e, cada vez mais, contribui com a sociedade brasileira.

Nesta data em que comemoramos 200 anos de independência, convido a uma reflexão: o que é ser um imigrante peruano no Brasil? Os peruanos têm ganhado papel de destaque em diferentes áreas, como ciência, empreendedorismo social e gastronomia. O Dr. Hugo Fernandez, por exemplo, é um professor da Unicamp que realizou um importante trabalho no Brasil junto com seu aluno de doutorado ao criar um biosensor para detecção molecular do coronavírus por meio de laser, promovendo o melhor dos dois mundos: acurácia precisa, agilidade, flexibilidade, além do custo que pode ser baixo se feito em larga escala.

Temos também o empresário Edgar Riconcito, proprietário da rede de restaurantes Riconcito Peruano, que tem um história incrível de empreendedorismo no Brasil e hoje conta com mais de 10 restaurantes em SP. Outra personagem é Mariel Reyes, economista e empreendedora que trabalha com um projeto de empoderamento digital das mulheres de SP. Em um dos países mais transfóbicos e racistas do mundo, Mariel Reyes lidera uma iniciativa para formar em tecnologia e programação a população feminina transgênera e negra.

Cada vez mais fica claro que os peruanos têm papel importante no Brasil e um de nossos desafios é dar visibilidade a isso para além dos estereótipos, mostrando as oportunidades e desafios do que é ser um imigrante peruano no país e valorizando a atuação exercida pelo nosso povo no país.

É preciso que o Brasil reconheça a natureza empreendedora e resiliente do imigrante peruano e sua contribuição à diversidade e desenvolvimento econômico local, principalmente nas áreas dos serviços e comércio. Por isso, a comemoração dos 200 anos de independência do Peru em solo brasileiro é tão importante.

*César Augusto de las Casas, cônsul-geral do Peru no Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoPeru [América do Sul]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.