Beto Richa vira réu da Radiopatrulha

Beto Richa vira réu da Radiopatrulha

Juiz Fernando Fischer abre ação contra ex-governador do Paraná (PSDB) e mais 12 denunciados pelo Ministério Público do Estado por suposta corrupção e propinas de R$ 8 milhões em contratos de manutenção de estradas rurais

Ricardo Brandt e Fausto Macedo

31 de outubro de 2018 | 19h42

Beto Richa. FOTO: Denis Ferreira Netto/ESTADÃO

A Justiça do Paraná colocou no banco dos réus o ex-governador Beto Richa (PSDB) e mais 12 denunciados na Operação Radiopatrulha – investigação sobre suposto esquema de propinas no âmbito de contratos de manutenção de estradas rurais.

A decisão foi tomada pelo juiz Fernando Fischer, que recebeu acusação formal do Ministério Público do Estado.

Documento

Segundo a denúncia da Promotoria, ‘o total dos pagamentos efetuados pelo Estado do Paraná às empresas conluiadas foi de R$ 101.905.930,58’.

“Considerando a porcentagem prometida de propina – 8% sobre o bruto -, o valor global das vantagens indevidas recebidas pelos agentes públicos denunciados foi da ordem de R$ 8.152.474,44”, sustenta o Ministério Público.

No dia 11 de setembro, Richa chegou a ser preso por ordem de Fischer, mas acabou solto por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo.

O Ministério Público também acusa o irmão do tucano, Pepe Richa, que foi secretário de Infraestrutura do Estado, e o ex-chefe de gabinete Deonilson Roldo.

A mulher de Beto Richa, Fernanda, e o contador da família, Dirceu Pupo Ferreira, também foram presos na Radiopatrulha e soltos por Gilmar.

Fernanda não foi denunciada pela Promotoria. Ela não é ré no processo Radiopatrulha.

Richa também é investigado na Operação Lava Jato, que fez buscas em sua residência no mesmo dia da prisão. A Lava Jato suspeita de ligação do ex-governador com propinas da Odebrecht, que teria sido favorecida em contrato de duplicação da PR323, no interior do Paraná.

COM A PALAVRA, BETO RICHA

A reportagem está tentando contato com a defesa do ex-governador Beto Richa e com os outros denunciados pelo Ministério Público do Paraná que se tornaram réus por decisão do juiz Fernando Fischer. O espaço está aberto para manifestação.

Richa tem negado enfaticamente ligação com o esquema apontado nos autos da Operação Radiopatrulha. Indignado com a ação policial que vasculhou sua residência, em Curitiba, ele afirma ter sido alvo de perseguição política e que sua inocência será provada na Justiça.

Tendências: