Bertin réu por sonegação de R$ 40 mi na Lava Jato

Empresário que cumpre pena de 4 anos e 2 meses na Lava Jato em Curitiba é acusado de fraudar sua declaração de Imposto de Renda referente ao ano de 2011

Fausto Macedo e Luiz Vassallo

25 de outubro de 2018 | 07h30

O empresário Natalino Bertin virou réu na Operação Lava Jato por uma suposta sonegação de R$ 40 milhões, envolvendo transações entre empresas. A decisão é do juiz Ali Mazloum, da 7ª Vara Federal Criminal de São Paulo. Atualmente, ele cumpre pena de 4 anos e 2 meses em Curitiba.

Documento

Documento

Bertin foi condenado no mesmo processo em também foram réus os empresários Ronan Maria Pinto, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e mais dois denunciados na Operação Lava Jato. Esta ação é um desdobramento do polêmico empréstimo de R$ 12 milhões tomado pelo pecuarista José Carlos Bumlai, compadre do ex-presidente Lula, junto ao Banco Schahin, em outubro de 2004.

Em outra ação, oferecida pela força-tarefa de São Paulo, identificou supostas fraudes nas declarações de imposto de renda do empresário., que envolvem contratos de mútuo entre suas empresas. “Diante de todas as irregularidades apontadas, a fiscalização concluiu que o denunciado utilizou-se dos supostos contratos de mútuo para simular sua movimentação financeira, omitindo informações na DIRF/2012”.

“Os valores consolidados dos recursos creditados e não devidamente justificados e/ou comprovados pelo denunciado mediante documentação hábil e idônea foram de R$ 39 milhões para o ano-calendário 2011. Assim, foi efetuado o lançamento de ofício, lavrando-se o respectivo auto de infração, cuja base de cálculo do crédito tributário baseou-se nos valores referentes aos empréstimos desconsiderados pela fiscalização”, afirma a Procuradoria.

Entre as irregularidades encontradas pela força-tarefa nos contratos, estavam a falta de registros e ausência de testemunhas, a não contabilização dos valores pela empresa, e ainda a não quitação dos contratos.

Tudo o que sabemos sobre:

Natalino Bertin; operação lava jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.