Bendine e operador destruíam mensagens a cada 4 minutos, diz Lava Jato

Bendine e operador destruíam mensagens a cada 4 minutos, diz Lava Jato

Força-tarefa da operação afirma que ex-presidente da Petrobrás e André Gustavo Vieira da Silva, presos nesta quinta-feira, 27, queriam evitar interceptação da comunicação entre eles

Julia Affonso e Fausto Macedo

27 de julho de 2017 | 11h14


O Ministério Público Federal afirma que o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobrás Aldemir Bendine e seu suposto operador André Gustavo Vieira da Silva, presos pela Operação Lava Jato nesta quinta-feira, 27, ‘para evitar eventuais interceptações das comunicações entre eles, utilizavam o aplicativo Wickr e, após as conversas que travavam, destruíam as mensagens a cada 30 minutos’. Segundo a força-tarefa da operação, em alguns casos, as mensagens eram destruídas ‘a cada 4 minutos para evitar a utilização como prova de ilícitos praticados’.

“O aplicativo Wickr permite a troca de mensagens instantâneas entre contatos por meio de sistema de criptografia ponta-a-ponta, com a possibilidade de destruição de todas as mensagens recebidas e lidas pelos interlocutores após um período pré-determinado”, afirma a Lava Jato. “De se ver ser rotineira a utilização do aplicativo Wickr por Aldemir Bendine com intuito de efetuar conversas ilícitas e rápida destruição de provas.”

Aldemir Bendine e operadores financeiros são suspeitos de operacionalizarem o recebimento de R$ 3 milhões em propinas pagas pela Odebrecht em favor do ex-presidente da Petrobrás. Segundo o Ministério Público Federal, na véspera de assumir a presidência da estatal, em 6 de fevereiro de 2015, Aldemir Bendine e um de seus operadores financeiros solicitaram propina aos executivos Marcelo Odebrecht e Fernando Reis, da Odebrecht. O pedido teria sido feito para que o grupo empresarial Odebrecht não fosse prejudicado na Petrobrás e em relação às consequências da Lava Jato.

Bendine pediu propina ‘na véspera’ de assumir Petrobrás, diz Lava Jato

‘Pregar fim da Lava Jato é defender liberdade para ladrões do dinheiro público prosseguirem’, diz procuradora

A força-tarefa destacou, no pedido de prisão do ex-presidente da Petrobrás ao juiz federal Sérgio Moro, que ‘por algum tipo de descuido’, Bendine fez quatro prints de conversas mantidas com André Gustavo no aplicativo. ‘Entre os ‘prints’ foi localizada uma mensagem que ser refere ao endereço do operador em Brasília.

“O referido endereço foi utilizado no contexto desta investigação para encontros nos quais foram acertadas as vantagens indevidas destinadas a Aldemir Bendine, como revelados pelos colaboradores a Fernando Reis e Marcelo Odebrecht”, diz a Lava Jato.

Documento

Documento

“Em um destes encontros realizados às sombras estiveram presentes Aldemir Bendine e Marcelo Odebrecht para acertar valores da propina. Em outro “print” do aplicativo Wickr, André Gustavo compartilha com Aldemir Bendine nomes relacionados a pessoas próximas ao operador financeiro Lucio Funaro.”

Funaro foi capturado na Operação Sépsis em 1º de julho do ano passado e está preso desde então. Ele negocia delação premiada.

Bendine vai para Curitiba

Fachin acelera Lava Jato para julgar políticos em 2017

Prints. A Procuradoria da República afirma que o operador André Gustavo também fazia prints das conversas que tinha com Bendine no aplicativo e ‘promovia a destruição da prova’.

“Nestas conversas, André relata que terceira pessoa não identificada estava tentando, sem sucesso, contato com Bendine. De pronto, Aldemir Bendine (identificado como: “oi”) ratifica o número de seu telefone. Em outra conversa, novamente Aldemir Bendine encaminha o número de seu telefone para André Gustavo. Em outra ocasião, Aldemir Bendine sugere a André Gustavo que entre em contato com Silvana, esposa daquele”, relata a Procuradoria.

“No contexto destas conversas no Wickr em que foram efetuadas captura da tela do celular, uma delas refere-se a licitação promovida pela Petrobrás, por meio do Convite 1930344.16.8. O “print” efetuado por Aldemir Bendine em conversa com André Gustavo corrobora os dizeres de Fernando Reis no sentido de que André Gustavo tinha acesso a informações internas, privilegiadas e confidenciais da Petrobrás, fornecidas por Aldemir Bendine.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO PIERPAOLO BOTTINI, QUE DEFENDE ALDEMIR BENDINE

“Desde o início das investigações Bendine se colocou à disposição para esclarecer os fatos e juntou seus dados fiscais e bancários ao inquérito, demonstrando a licitude de suas atividades.  A cautelar é desnecessária por se tratar de alguém que manifestou sua disposição de depor e colaborar com a Justiça.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoAldemir Bendine

Tendências: