Battisti chega a Roma

Battisti chega a Roma

Italiano condenado por quatro assassinatos retorna ao seu país, depois de quase 40 anos de fugas, para cumprir pena de prisão perpétua

Igor Moraes

14 de janeiro de 2019 | 08h41

Cesare Battisti desembarca em Roma cercado por policiais. Foto: Alberto Pizzoli/ AFP

Após quase quatro décadas de fugas, Cesare Battisti chegou à Itália por volta das 11h40 (8h40, no horário de Brasília) desta segunda-feira, 14. A aeronave, que partiu no início da noite de ontem de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, pousou no Aeroporto de Ciampino, em Roma, onde era aguardada pelo ministros Matteo Salvini, do Interior; e Alfonso Bonafede, da Justiça. 

O italiano deverá ser encaminhado por um grupo de agentes penitenciários para a prisão de Rebibbia, na zona urbana de Roma. De acordo com informações do jornal italiano Corriere della Serra, ele deverá ficar sozinho na cela, em uma área de segurança reservada para terroristas, e passará por seis meses de isolamento diurno.

Por volta das 14 horas (11h, no horário de Brasília), o primeiro-ministro Giuseppe Conte concederá uma entrevista coletiva para comentar a prisão de Battisti.

Ministro do Interior italiano, Matteo Salvini (esq.), cumprimenta policiais no aeroporto em Roma onde foi acompanhar a chegada de Cesare Battisti. Foto: Reprodução/ Twitter/ Matteo Salvini

Battisti estava foragido da Justiça brasileira desde 14 de dezembro, quando o então presidente Michel Temer autorizou sua extradição para a Itália um dia depois do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, suspender uma liminar que garantia sua permanência no Brasil.

No último sábado, 12, foi capturado por policiais bolivianos. De cavanhaque e óculos escuros, o italiano foi preso enquanto caminhava por uma rua de Santa Cruz de la Sierra.

O italiano Cesare Battisti anda em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, antes de ser preso Foto: Polícia Italiana/AP

Após a prisão, o governo brasileiro enviou um avião da Polícia Federal à Bolívia para trazer Battisti ao Brasil e, em seguida, extraditá-lo para a Itália, conforme promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro. O governo italiano, no entanto, já havia decidido levar Battisti diretamente ao seu país.

Em uma nota divulgada no início da noite de ontem, os ministérios das Relações Exteriores e da Justiça brasileiros afirmaram que o importante era que o italiano respondesse por seus crimes.

Battisti desembarca de avião em Roma escoltado por policiais. Foto: Reprodução/ CorriereTV

“O governo brasileiro se congratula com as autoridades bolivianas e italianas e com a Interpol pelo desfecho da operação de prisão e retorno de Battisti à Itália. O importante é que Cesare Battisti responda pelos graves crimes que cometeu. O Brasil contribui assim para que se faça justiça”, afirmou a nota.

STF nega habeas corpus

Em uma tentativa frustrada para tentar evitar a viagem de Battisti de volta para a Europa, os advogados do italiano protocolaram um habeas corpus no STF neste domingo. No pedido, argumentaram que entregá-lo para a Itália seria um “ato complexo” e irreversível.

Luís Roberto Barroso. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Os defensores solicitaram que o habeas fosse analisado pelo ministro Marco Aurélio. O pedido, no entanto, foi julgado – e negado – pelo ministro Luis Roberto Barroso.

“Ante o exposto, com fundamento no art. 21, § 1º, do RISTF, nego seguimento ao presente habeas corpus, por ser flagrantemente inadmissível e, ainda, por contrariar a jurisprudência predominante desta Suprema Corte”, diz a decisão que rejeitou o habeas.

Quem é Cesare Battisti

Battisti, que era ligado ao grupo guerrilheiro Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), deixou seu país depois de ser condenado por quatro assassinatos cometidos entre 1977 e 1979. Na Itália, foi primeiramente condenado por participação em bando armado e ocultação de armas a 12 anos e 10 meses de prisão em 1981.

Cesare Battisti. Foto: AFP PHOTO/Christophe Simon

Mais de uma década depois, em 1993, teve a prisão perpétua decretada pela Justiça de Milão, em razão de quatro homicídios hediondos contra um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro.

Após idas e vindas por França e México entre 1981 e 2004, chegou ao Brasil e foi preso em 2007. No último dia de seu segundo mandato, no entanto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu asilo político para o italiano e impediu sua extradição. Clique aqui para ver as fugas e prisões de Battisti, ano a ano.

Em entrevista concedida ao Estado em outubro de 2017, Battisti afirmou que enviá-lo de volta para a Itália era o mesmo que sua sentença de morte. Ele morou em Cananeia, no litoral de São Paulo, e chegou a ter um filho com uma brasileira.

Para saber mais sobre a vida de Cesare Battisti, clique neste link.

Tudo o que sabemos sobre:

Cesare BattistiItália

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.