“Basta uma noite no Congresso e toda a investigação pode cair por terra”, diz procurador da Lava Jato

“Basta uma noite no Congresso e toda a investigação pode cair por terra”, diz procurador da Lava Jato

Carlos Fernando alerta para 'parte do Executivo e do Legislativo' que está contra as investigações do maior escândalo de corrupção do Brasil, que completou 3 anos nesta sexta, 17

Julio Cesar Lima, especial para o Estado, de Curitiba

17 Março 2017 | 17h07

CURITIBA/PARANA 17-02-2017 NACIONAL EXCLUSIVO EMBARGADO CARLOS FERNANDO DOS SANTOS LIMA LAVA JATO Carlos Fernando dos Santos Lima, Procurador Regional da República durante entrevista no QG da Lava Jato, na manhã desta quinta-feira, 16, em Curitiba/PR. FOTO RODOLFO BUHRER / ESTADAO

Carlos Fernando, procurador da Lava Jato. FOTO RODOLFO BUHRER / ESTADAO

A Operação Lava-Jato completou três anos e está na mira dos políticos. Segundo o procurador Regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, há muitas forças que tentam impedir os prosseguimentos das investigações.

“Basta uma noite no Congresso Nacional e toda a investigação pode cair por terra”, afirmou Carlos Fernando, durante entrevista coletiva para a imprensa sobre os acordos de cooperação internacional feitos pela Lava Jato nesses três anos de operação, completos nesta sexta-feira, 17.

Na sede da Procuradoria da República, em Curitiba, os procuradores da Lava Jato, o subprocurador geral da República Vladimir Aras apresentaram um balanço que mostra que já foram repatriados R$ 795,6 milhões por meio de acordos de cooperação internacional.

Segundo ele, tanto o Executivo e como Legislativo têm entre seus colaboradores pessoas que tentam atrapalhar o processo. “Ainda existem projetos caminhando nesse sentido (de anistia), também responsabilização de procuradores e juízes, inúmeras ações do Congresso Nacional que tentam restringir e não alavancar as investigações criminais”, reclamou.

Na opinião do procurador, a sociedade precisa estar cada vez mais atenta ao que ocorre para que não ocorram interrupções. “Nós realmente chegamos em um momento que temos boa parte do Executivo e do Legislativo contra as investigações, temos órgãos que ao invés de nos apoiarem os acordos de leniência tentam impedir que essas empresas venham ao Ministério Público e falem o que fizeram de errado. O que está acontecendo e o que pode vir a acontecer e as consequências disso”, comentou.

Caixa 2. Carlos Fernando também comentou a atuação do Congresso no sentido de anistiar todos os crimes ligados a caixa 2. “Sobre o caixa 2, há discussão de anistia de caixa 2, esse discurso só interessa a quem promoveu corrupção e lavagem. Essa é uma proposta que beneficia a classe política, para si mesma , uma medida dessa vai fazer valer ainda mais descrédito, ou o país parte para uma democracia real ou esses problemas aos quais enfrentamos a mais de cem anos”, disse o procurador da Lava Jato.

Deltan Dallagnol, outro dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato, também falou sobre o projeto de caixa 2. “A discussão sobre anistia nada mais é que uma cortina de fumaça sobre o que a discussão real sobre o que é caixa dois ou lavagem de dinheiro”, comentou.

Para Dallagnol, o aniversário de três anos da operação é um momento de olhar para o passado e para o futuro.

“No passado, ficaram desafios superados por instituições que vêm se fortalecendo e romperam a impunidade dos círculos do poder político e econômico. No presente, temos em mãos o diagnóstico de uma corrupção que tem raízes em nossa história e cujos tentáculos abraçaram muitos órgãos públicos. No futuro, vemos algumas pedras no caminho, que a sociedade poderá nos ajudar a ultrapassar se queremos rumar para um país menos corrupto”, disse Dallagnol.

Na sequência, o procurador voltou a falar do sistema político que favorece a corrupção. “Havia um sistema feito no Brasil para que houvesse justiça, mas não que houvesse a justiça para os casos de colarinho branco”, disse.

Em seguida, o procurador também criticou o foro privilegiado. “O foro privilegiado é restritivo, ele atinge mais de 40 mil autoridades, temos que caminhar no sentido das reformas”, afirmou.

Dallagnol também ressalta o papel do Judiciário neste processo, mas que não se pode colocar toda expectativa sobre o Poder. “A sociedade não pode colocar toda a expectativa no Judiciário, foi o que se viu nas Operações Mãos Limpas”, disse, lembrando que a falta de reformas na Itália criou novamente o ambiente propício para a corrupção.

Números. Os números divulgados pela assessoria do Ministério Público Federal com relação à Lava Jato indicam que já foram denunciados na primeira instância crimes que envolvem o pagamento de propina de cerca de R$ 6,4 bilhões.

Além disso, laudos elaborados por peritos da Polícia Federal (PF) indicam que o prejuízo à Petrobras pode chegar a R$ 42 bilhões, levando em conta o lucro que as empreiteiras que formavam o cartel de obras obtiveram a partir do pagamento de propina a agentes públicos e políticos para garantir os contratos com a estatal.

O bloqueio de bens dos réus já totaliza a cifra de R$ 3,2 bilhões. A Força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF-PR) também pede o ressarcimento de R$ 38,1 bilhões pelos crimes cometidos, incluindo nesse montante a aplicação de multas milionárias às empresas envolvidas.

Já foram oferecidas na primeira instância 58 acusações criminais contra 260 pessoas (sem repetição de nome), sendo que em 26 já houve sentença pelos crimes de corrupção, crimes contra o sistema financeiro internacional, tráfico transnacional de drogas, formação de organização criminosa, lavagem de ativos, entre outros. Ao todo foram 130 condenações, envolvendo 89 condenados, contabilizando, 1362 anos, cinco meses e 21 dias de pena.

Em três anos de operação foram deflagradas 38 fases pela força-tarefa, que somaram 746 buscas e apreensões, 202 conduções coercitivas, 91 prisões preventivas, 101 prisões temporárias e seis prisões em flagrante.

Dentro da Operação Lava Jato também foram celebrados 155 acordos de colaboração premiada com pessoas físicas, 10 acordos de leniência com pessoas jurídicas e 1 Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O valor alvo de recuperação por meio dos acordos celebrados no âmbito da operação chega a R$ 10.397.611.323,99. Este valor representa multas aplicadas às pessoas físicas e jurídicas, além de renúncia de valores no Brasil e no exterior.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato