Basta!

Basta!

Manifesto já reúne 25 mil assinaturas de juristas, entre eles o ex-ministro da Justiça como José Eduardo Cardozo, o presidente da OAB Felipe Santa Cruz e o advogado António Cláudio Mariz de Oliveira

Redação

01 de junho de 2020 | 21h04

Advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O manifesto ‘Basta’ lançado neste domingo, 31, por juristas e advogados contra os ataques do presidente Jair Bolsonaro às instituições já ultrapassou as 25 mil assinaturas. O texto que diz que o presidente ‘agride de todas as formas os Poderes constitucionais das unidades da Federação’ e descumpre leis e decisões judiciais diuturnamente porque se intitula a própria Constituição’ é apoiado por nomes como o advogado António Cláudio Mariz de Oliveira, o presidente da OAB Felipe Santa Cruz e os ex-ministros da Justiça José Eduardo Cardozo, José Gregori e José Carlos Dias.

O manifesto tem início com o paradoxo da tolerância do filósofo Karl Popper: “Menos conhecido é o paradoxo da tolerância: a tolerância ilimitada pode levar ao desaparecimento da tolerância. Se estendermos a tolerância ilimitada até àqueles que são intolerantes; se não estivermos preparados para defender uma sociedade tolerante contra os ataques dos intolerantes, o resultado será a destruição dos tolerantes e, com eles, da tolerância”.

Segundo os juristas que assinaram inicialmente o texto do manifesto, o “Brasil, suas instituições, seu povo não podem continuar a ser agredidos por alguém que, ungido democraticamente ao cargo de presidente da República, exerce o nobre mandato que lhe foi conferido para arruinar com os alicerces de nosso sistema democrático, atentando, a um só tempo, contra os Poderes Legislativo e Judiciário, contra o Estado de Direito, contra a saúde dos brasileiros, agindo despudoradamente, à luz do dia, incapaz de demonstrar qualquer espírito cívico ou de compaixão para com o sofrimento de tantos”.

José Carlos Dias. Foto: Beto Barata/Estadão

José Eduardo Cardozo. Foto: Fábio Motta/Estadão

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.