Barroso suspende quebras de sigilo de ex-servidores da Saúde pela CPI da Covid

Barroso suspende quebras de sigilo de ex-servidores da Saúde pela CPI da Covid

Ministro do Supremo Tribunal Federal pediu esclarecimentos do Senado Federal sobre a medida

Rayssa Motta

14 de junho de 2021 | 11h59

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta segunda-feira, 14, a quebra dos sigilos telefônico e de mensagem de dois ex-servidores do Ministério da Saúde determinada pela CPI da Covid.

A liminar beneficia Camila Giaretta Sachetti, ex-diretora do departamento de Ciência e Tecnologia, e Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais da pasta. Barroso vai revistar a decisão, com análise do mérito, após ouvir o Senado Federal. Em uma avaliação preliminar, ele considerou que o afastamento dos sigilos não foi devidamente justificado pela comissão parlamentar.

“Diante do exposto, defiro o pedido liminar, para suspender os efeitos do ato de aprovação dos Requerimentos nº 758 e 763 pelos membros da CPI da Pandemia, até o exame de mérito deste writ. Notifique-se a autoridade impetrada para, querendo, prestar informações. Com a sua vinda, tornarei a apreciar os pedidos formulados”, escreveu o ministro.

O ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Na decisão, Barroso observou que a passagem pelo Ministério da Saúde não justifica, por si só, a quebra dos sigilos de ‘elementos que integram aspectos da intimidade e da vida privada’.

No final de semana, os ministros Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes negaram recursos semelhantes, apresentados pelas defesas do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e da secretária de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como ‘capitã cloroquina’, para derrubar suas quebras de sigilos pela comissão parlamentar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.