Barroso quer uma resposta rápida no caso Lula para ‘o bem da democracia’

Barroso quer uma resposta rápida no caso Lula para ‘o bem da democracia’

Broadcast Político apurou que houve divergência no TSE sobre o direito de petista manter as atividades de campanha e aparecer no horário eleitoral, o que levou ministro a optar por levar o registro e definir já sobre a candidatura

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/BRASÍLIA

31 de agosto de 2018 | 16h57

Ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber durante sessão no TSE. FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Relator do processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luís Roberto Barroso sinalizou a interlocutores que quer uma resposta ‘rápida’ no caso do petista para ‘o bem da democracia’, segundo o Broadcast Político apurou.

A defesa de Lula pretende apresentar uma questão de ordem na retomada da sessão plenária desta sexta-feira do TSE, sob a alegação de que o processo do ex-presidente não está pronto para ser apreciado pelos sete integrantes da Corte Eleitoral.

Os advogados sustentam que não foi aberto um prazo para a apresentação das alegações finais das partes envolvidas no caso. A defensa cogita até mesmo que sejam concedidos 2 dias para que isso ocorra, ao invés dos 5 dias que estariam previstos inicialmente.

Segundo o Broadcast Político apurou, houve divergência entre ministros do tribunal sobre o direito de Lula manter as atividades de campanha e aparecer no horário eleitoral, o que levou Barroso a optar por levar o registro e definir já sobre a candidatura do PT.

Tudo o que sabemos sobre:

Lulaoperação Lava JatoTSE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.