Barroso diz que o tempo para apreciar caso Lula foi pouco

Barroso diz que o tempo para apreciar caso Lula foi pouco

Equipe do gabinete do ministro trabalhou madrugada adentro, deixando as dependências do TSE às 7h da manhã desta sexta-feira

Rafael Moraes Moura, Amanda Pupo, Renan Truffi e Teo Cury

31 Agosto 2018 | 17h52

Luís Roberto Barroso. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

O ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), encerrou há pouco a leitura do relatório do processo do registro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato, nas eleições 2018. Em sua fala, o ministro reconheceu que os colegas tiveram pouco tempo para analisar o caso e frisou que não deu tratamento diferenciado ao petista.

O relatório é uma espécie de resumo dos principais pontos do processo, sem juízos de valor.

“Gostaria de deixar claro que desde o início do processo eleitoral eu estabeleci como critério pessoal – e penso que os demais ministros, de uma maneira geral, também o fizeram – a definição dos registros de candidatura até a data de hoje, até o momento anterior ao início do horário eleitoral gratuito”, ressaltou Barroso.

A equipe do gabinete do ministro trabalhou madrugada adentro, deixando as dependências do TSE apenas às 7h da manhã desta sexta-feira. “A noite foi longa para mim e a minha equipe para cumprir os prazos”, disse o ministro.

“Estou sendo o mais analítico possível nas teses da defesa, até mesmo pelo pouco tempo que os colegas tiveram para apreciar essa matéria”, observou.

ETAPAS. Após a leitura do relatório, deverão ser feitas as sustentações orais, de 10 minutos de cada, do Partido Novo, do representante de Jair Bolsonaro (PSL) e da Procuradoria-Geral da República (PGR) – os três contestaram a candidatura de Lula.

Depois, os advogados de Lula terão direito a 30 minutos para apresentar a sua defesa.

Só depois de todas essas etapas, Luís Roberto Barroso iniciará a leitura do voto.

Mais conteúdo sobre:

TSELula