Barragem de Brumadinho operava sob ‘fontes de incertezas’ e com valores de falha ‘inaceitáveis’, diz perícia da PF

Barragem de Brumadinho operava sob ‘fontes de incertezas’ e com valores de falha ‘inaceitáveis’, diz perícia da PF

Veja os laudos dos peritos criminais da Polícia Federal sobre as características da Barragem I da Mina Córrego do Feijão e a extensão dos danos ambientais causados pelo tsunami de lama, em 25 de janeiro, que fez 254 mortos e deixou 16 desaparecidos

Pepita Ortega

25 de novembro de 2019 | 17h29

Lama invadiu Brumadinho após rompimento de barragem da Vale. Foto: Mauro Pimentel/ AFP

Cinco laudos de peritos criminais da Polícia Federal descrevem as características da Barragem I da Mina Córrego do Feijão e a extensão dos danos ambientais causados por seu rompimento, em 25 de janeiro.

Segundo um documento elaborado pela perícia criminal federal, a barragem operou por 40 anos ‘sujeita a fontes de incertezas’. O texto diz ainda que valores de probabilidades de falhas registrados em relatório técnico elaborado em 2017, deveriam ter sido considerados ‘inaceitáveis’ tendo em vista critérios internacionais.

O rompimento da barragem, que provocou um tsunami de lama e despejou quase 13 milhões de metros cúbicos sobre Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, deixou 254 mortos e 16 desaparecidos.

O laudo mais extenso trata das informações técnicas sobre a Barragem I da Mina Córrego do Feijão. É um laudo com 207 páginas. Ele indica que a barragem operou, entre 1976 e 2016, ‘sujeita a uma série de fontes de incertezas, em especial aquelas relativas aos parâmetros geotécnicos’.

Documento

O texto faz considerações sobre o estudo de Cálculo de Risco Monetizado sobre a Barragem, elaborado pela TÜV SÜD em outubro de 2017 e revisado em julho de 2018.

O estudo quantificou as probabilidades para quatro modos de falha da Barragem I.

Segundo os peritos da PF, um relatório técnico que compõe tal estudo, sobre Valoração das Consequências, estimava uma ‘perda de até 214 vidas humanas no pior cenário de rompimento da Barragem I, sem aviso prévio’.

Os peritos registram que tais valores deveriam ter sido considerados tecnicamente ‘inaceitáveis’, quando confrontados com os critérios internacionais.

“Portanto, os estudos técnicos analisados demonstram que o risco de ruptura da Barragem I se encontrava em uma condição de não aceitação, e mesmo apresentando probabilidades anuais de falha, pelo menos, 20 vezes maiores que o máximo aceitável pelos critérios internacionais, essas informações foram plotadas no gráfico do Relatório Técnico de Análise de Risco elaborado em 11/07/2018 pela empresa Potamos, dentro do estudo do Cálculo do Risco Monetizado para Barragem I, no âmbito da Gestão de Riscos Geotécnicos (GRG) da Vale S.A., ignorando os limites de aceitabilidade internacionalmente admitidos.”

Outros três laudos tratam dos impactos ambientais da tragédia, analisando aspectos da vegetação terrestre afetada pelo lama da barragem, dos danos causados à fauna terrestre e aquática do local e da poluição ambiental gerada pelos rejeitos de minério de ferro que atingiram a região. Além disso, um outro documento trata dos procedimentos de licenciamento ambiental da Barragem I.

Documento

Documento

Documento

Os laudos registram a devastação de vegetação, natural ou plantada, perda de habitat, a mortandade de animais, os danos à fauna em diversos níveis da cadeia alimentar e no meio ambiente, entre outros.

Quanto à poluição, os peritos federais registram que os exames realizados na área de deposição imediata dos rejeitos demonstraram que em muitos pontos as concentrações de metais e semi-metais ultrapassam valores de prevenção e de investigação.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a tragédia em Brumadinho na Câmara dos Deputados aprovou no último dia 5 relatório pedindo o indiciamento da Vale e da Tüv Süd por crime socioambiental e corrupção empresarial. O texto é assinado pelo deputado Rogério Correia (PT-MG).

O documento também pede o indiciamento de 22 diretores da Vale, entre eles o ex-presidente da mineradora, Fabio Schvartsman, por homicídio doloso e lesão corporal dolosa.

A CPI ainda apontou outras 20 barragens em Minas com risco de rompimento.

COM A PALAVRA, A TÜV SÜD

“A empresa não vai comentar os laudos, mas reitera que continua oferecendo sua total cooperação às autoridades envolvidas na apuração dos fatos.”

COM A PALAVRA, A VALE

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.