Baiano envolve ex-ministros dos governos Kirchner e Menem e Renan e Jader em esquema da Petrobrás

Baiano envolve ex-ministros dos governos Kirchner e Menem e Renan e Jader em esquema da Petrobrás

Fernando Falcão Soares, um dos delatores da Operação Lava Jato, afirmou que ele e o ex-diretor Internacional da estatal Nestor Cerveró receberam US$ 300 mil, cada, para que a transportadora de eletricidade Transener fosse vendida a um grupo da Argentina

Beatriz Bulla, Gustavo Aguiar e Julia Affonso

21 de dezembro de 2015 | 14h15

Fernando Baiano é um dos delatores da Lava Jato. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Fernando Baiano é um dos delatores da Lava Jato. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Atualizada às 19h28

O lobista Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, envolveu, em sua delação premiada, dois ex-ministros argentinos no esquema de corrupção da Petrobrás. Em depoimento à Procuradoria-Geral da República, o delator afirmou que ele e o ex-diretor da área Internacional da estatal Nestor Cerveró receberam US$ 300 mil, cada, para que a transportadora de eletricidade Transener fosse vendida a um grupo argentino, entre 2006 e 2007.

BAIANO-ARG

Baiano disse que também ‘estavam envolvidos na negociação’ os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA), o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) e o então ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau (Governo Lula).

Segundo Fernando Baiano, em 2006 ou 2007, ele foi procurado pelo lobista Jorge Luz, que representava o grupo argentino Eletroengenharia. O delator relatou que a empresa estava interessada na compra da Transener.

“Procurou Nestor Cerveró para falar sobre o assunto, tendo sido informado que o negócio já estava fechado com um grupo norte-americano, com parte do pagamento já realizado, restando apenas a aprovação do governo argentino”, afirmou.

[veja_tambem]

O delator contou que diante da informação, Jorge Luz, ele próprio e o ex-ministro argentino Roberto Dromi (Governo Carlos Menem) traçaram uma estratégia para a não aprovação da venda pelo governo argentino pelo ministro Julio de Vido (2003-2015/Governos Néstor Kirchner e Cristina Kirchner).

“Para acertar dentro da Petrobrás a venda da empresa para o grupo argentino pela mesmo valor do negócio que seria levado a efeito pelo grupo norte-americano, o colaborador recebeu US$ 300 mil. Nestor Cerveró recebeu igual quantia. Jorge Luz fez os acertos e pagamentos aos políticos, não sabendo informar os valores pagos”, informou Fernando Baiano.

“O colaborador poderá obter os documentos bancários comprobatórios da origem dos valores que recebeu.”

O lobista foi preso em dezembro de 2014. O juiz federal Sérgio Moro, que mandou prende-lo, o condenou a 16 anos, um mês e dez dias de reclusão, por corrupção e lavagem de dinheiro em uma ação da Lava Jato. Segundo a sentença, o operador teria intermediado propina de US$ 15 milhões sobre contratos de navios-sonda. Os valores teriam sido repassados à diretoria da Área Internacional da Petrobrás, ocupada na época por Nestor Cerveró – também preso e condenado na Lava Jato.

Rondeau nega taxativamente o recebimento de valores ilícitos.

juliodevido2 juliodevido3

COM A PALAVRA, O EX-MINISTRO DA ARGENTINA JULIO DE VIDO

Em seu Twitter, o ex-ministro Julio de Vido afirmou que não conhece Jorge Luz e Fernando Baiano. “Nunca vi na minha vida e não sei que gestões podem ter realizado.”

Na manifestação, Julio de Vido declarou. “Eu sei que, graças à decisão política de N. Kirchner, poderíamos defender o interesse nacional e evitar a ‘estrangeirização’ da Transener. Isto permitiu que pudéssemos encarar a maior expansão de linhas de energia, com a construção de 5.500 quilômetros de linhas de alta tensão ligados a 13 províncias, alguns como a Patagônia ou Formosa foram incorporadas ao sistema nacional pela primeira vez.”

COM A PALAVRA, O SENADOR RENAN CALHEIROS

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) nega qualquer envolvimento no esquema investigado pela Operação Lava Jato. Sem mencionar o caso específico da negociação da Transener, a assessoria do parlamentar enviou notas sobre outros detalhes revelados por meio de delações premiadas. O senador reitera que “jamais autorizou, credenciou ou consentiu que terceiros falassem em seu nome em qualquer circunstância ou em qualquer lugar” e diz estar à disposição da Polícia Federal para prestar informações.

COM A PALAVRA, O SENADOR JADER BARBALHO

“Em 2006, época a que se refere Fernando Baiano, eu não era senador. Não conheço Fernando Baiano. Nunca participei da venda de nada que não fosse meu”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.