‘Até quando vamos ter que aguentar esta bandidagem togada?’

‘Até quando vamos ter que aguentar esta bandidagem togada?’

Promotor de Justiça em São Paulo Ricardo Montemor publicou no Facebook comentários sobre a decisão dos ministros da 2.ª Turma do Supremo que, na sessão de terça-feira, 24, mandaram tirar dos processos contra Lula as delações da Odebrecht

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

25 Abril 2018 | 19h00

Reprodução

A Corregedoria do Ministério Público de São Paulo abriu procedimento para investigar post do promotor de Justiça Ricardo Montemor com ataques a quatro ministros do Supremo.

Documento

+ Força-tarefa diz a Moro que remessa de delação a São Paulo não afeta competência para julgar Lula

Em sua conta no Facebook, Montemor divulgou suas impressões pessoais sobre a decisão da 2.ª Turma da Corte máxima que, na sessão de terça-feira, 24, decidiu tirar das mãos do juiz Sérgio Moro as delações de executivos da Odebrecht que fazem parte de dois processos penais contra o ex-presidente Lula – o processo do sítio de Atibaia e o processo do terreno do Instituto que leva o nome do petista.

+ Decisão do STF não impede que delatores sejam ouvidos por Moro nos processos de Lula, diz força-tarefa

“Confesso estar muito, mas muito cansado mesmo de toda esta canalhice que é feita no STF pelos canalhas Lewandowski, Toffoli, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello”, escreveu o promotor, que atua em São Miguel Paulista às 18h50 da terça.

+ Força-tarefa diz a Moro que remessa de delação a São Paulo não afeta competência para julgar Lula

“Não há um só dia que estes fdp não tentam sacanear e acabar com a Lava Jato ou botar na rua o bandido corrupto Lula.”

Montemor emendou. “A solução ideal não posso dizer. Perderia o emprego se dissesse o que eles realmente merecem. Até quando vamos ter que aguentar esta bandidagem togada?”

Procurado pela reportagem do Estadão, Montemor disse que não iria se manifestar. Indagado se o post era mesmo de sua autoria ou se poderia ser fake, o promotor disse. “Vou me manifestar na Corregedoria.”

COM A PALAVRA, OS MINISTROS DO SUPREMO

O ministro Gilmar Mendes não se manifestou sobre os ataques do promotor.
Os gabinetes dos ministros Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli não retornaram contatos da reportagem.

Mais conteúdo sobre:

LULA [LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA]