‘Assumo consciente da grave responsabilidade do cargo e do conturbado período que atravessamos’

‘Assumo consciente da grave responsabilidade do cargo e do conturbado período que atravessamos’

Leia a íntegra do pronunciamento do novo procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mário Luiz Sarrubbo, na posse perante o Órgão Especial da Procuradoria nesta sexta, 17

Redação

17 de abril de 2020 | 17h35

Mário Luiz Sarrubbo. FOTO: DIVULGAÇÃO

Assumo hoje a Procuradoria-Geral de Justiça consciente da grave responsabilidade do cargo e do conturbado período que atravessamos no Brasil e no mundo, no campo da saúde pública e com inegáveis repercussões sociais, políticas e econômicas, na área pública e privada.

Não desconheço também os desafios internos que me esperam. O Ministério Público é um suceder de desafios.

Não posso negar, por outro lado que a sensação neste instante é a mesma de 13 de novembro de 1989, dia em que tomei posse como Promotor de Justiça Substituto da Circunscrição Judiciária de Araçatuba.

De lá para cá o Ministério Público mudou. Hoje somos aproximadamente 1940 membros e 7 mil servidores, com 155 sedes próprias ou locadas. Contamos com estrutura muito diferente daquela que encontrei em 1989, quando cheguei no fórum de Araçatuba e me instalei numa sala do Poder Judiciário e redigi minha primeira denúncia numa máquina de escrever que também era do Poder Judiciário.

Hoje temos nossas próprias salas, nossos próprios computadores e contamos com recursos tecnológicos que nos permitem a realização desta sessão de posse pela via digital.

Esse avanço é fruto do idealismo e da paixão de gerações de Promotores/Promotoras, Procuradoras e Procuradores de Justiça audazes, abnegados e desbravadores, de fé inabalável na magnitude da missão que nos foi atribuída pela Constituição Federal de 1988.

Idealismo e paixão que sempre tive desde o primeiro dia como Promotor de Justiça. Idealismo e paixão que não deixarei de ter como Procurador Geral de Justiça.

Assumo consciente de que a jornada é das mais difíceis.

O primeiro desafio, pois  urgente, é, sem dúvida alguma, a constituição de um gabinete de crise que possa dar suporte à atuação de Promotores e Procuradores de Justiça no enfretamento à atual crise que possa dar suporte à atual crise de saúde e suas repercussões no campo social e da gestão pública. É necessário, neste grave momento, a construção de estratégia que nos permita uma atuação mais unitária e integrada, possibilitando uma resposta rápida e eficaz à sociedade paulista.

Para além da crise de Saúde, temos uma instituição, o maior Ministério Público do Brasil para administrar.

O compromisso é levar adiante a Instituição com o necessário e indispensável diálogo, com o necessário e indispensável apoio deste Órgão Colegiado. É importante frisar que SEMPRE, EM

TODOS OS MOMENTOS, defendi o respeito e a importância deste Órgão para a administração do Ministério Público. Em nenhum momento me rendi à tentação do discurso fácil e irresponsável de desprezo, de desconsideração a tão importante órgão da administração superior. Tive, tenho e terei responsabilidade nas minhas falas e atos!

O compromisso, desta forma é de gestäo pautada pela transparência, pelo exer das minhas atribuições como Chefe da Instituição, pelo respeito e pelo diálogo com o Órgão Especial, com o Conselho Superior, com a Corregedoria Geral e com os Procuradores e Promotores de Justiça, pois foi através desse modelo que, com muito trabalho, se forjou a identidade deste que é o maior Ministério Público do Brasil.

É hora de encerrar.

Antes, permitam-me alguns rápidos

Antes, permitam-me alguns rápidos agradecimentos.

Ao Governador do Estado de São Paulo, que detentor de quase 11 milhões de votos que lhe foram conferidos pela Sociedade Paulista, no exercício do normativo constitucional e legal em vigor, me confiou a Chefia da Instituição, que exercerei de acordo com os princípios, e são três, consagrados no artigo 127 da C.F..

Aos colegas que estiveram ao meu lado nessa dificílima jornada, recheada de imprevistos, que não me faltaram, que não me largaram na estrada, que não duvidaram da minha palavra e das minhas reais intenções e que foram e serão determinantes para a construção deste projeto que com certeza levará o nosso Ministério Público a um novo patamar, a um modelo de atuação com maior estratégia, com maior resolutividade, o meu sincero agradecimento, a minha eterna gratidão.

Agradeço, por fim, a minha mulher Simone e a meus filhos Luis Felipe e Pedro Henrique, por terem aderido integralmente a mais esse projeto, por não deixaren faltar o carinho, o abraço generoso, a alegria, e o amor nos momentos mais agudos que não foram poucos.

Vamos em frente.

Muito obrigado a todos

Que o Criador olhe por nós!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: