‘Assumi e vc n tchan, heim?’, diz ex-diretor do BNDES a empreiteiro da A.Gutierrez no WhatsApp

‘Assumi e vc n tchan, heim?’, diz ex-diretor do BNDES a empreiteiro da A.Gutierrez no WhatsApp

Investigadores da Operação Lava Jato suspeitam que Guilherme Lacerda intermediou propina ao PT em 2012

Julia Affonso, Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

11 de julho de 2016 | 19h10

Brasília - O diretor do BNDES,Guilherme de Lacerda, participa da assinatura de contrato para realização do Inventário Florestal Nacional

O ex-diretor do BNDES,Guilherme de Lacerda. Foto: Agência Brasil

Relatório da Polícia Federal de 375 páginas analisou milhares de mensagens trocadas pelo ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo e interlocutores a partir do celular do empreiteiro. Em uma delas, de 22 de setembro de 2012, Guilherme Lacerda, então um dos diretores do BNDES, se refere ao tesoureiro do PT à época, João Vaccari Neto. A Federal investiga se Guilherme Lacerda intermediou propina ao PT.

Às 19h37 daquele dia, Lacerda escreve para Otávio Azevedo, então presidente da segunda maior empreiteira do País. “Otávio, o joao Vac me informa hoje que ainda não recebeu para encaminhar. Foi uma surpresa e já criei expectativas em vários lugares. Pf veja isso com urgência”, pede o diretor do BNDES.

Azevedo responde às 19h45. “Guilherme estou saindo de Londres e chego amanhã. Fique tranquilo e mantenha suas promessas. Esta programação foi feita em conjunto com o JVC. Será feito na próxima semana. Abs.”

Guilherme Lacerda retorna ao presidente da Andrade no minuto seguinte. “Ok.”

O TRECHO DO DIÁLOGO:

conversaotaviolacerda

O relatório da Polícia Federal é subscrito pelo agente Di Bernardi. “Também destaque-se o diálogo com data de 22 de setembro de 2012 em que Guilherme diz que joao Vac (sic) informa que ainda não recebeu para encaminhar e que foi uma surpresa pois já teria criado expectativas em vários lugares, pede que Otávio veja isso com urgência. Otávio responde dizendo para ficar tranquilo e que mantenha as promessas pois a programação foi feita em conjunto com o JVC e será feita na semana seguinte (joao Vac e JVC possivelmente se referem à pessoa de João Vaccari Neto).”

O agente da PF chama a atenção para outros textos recuperados . “Destacam-se mensagem com data de 10 de fevereiro de 2012 em que Guilherme Lacerda diz que precisa ouvir Otávio sobre “pendencia estádio internacional”. Em 6 de dezembro de 2012 pede a Otávio Marques Azevedo que mande o nome da pessoa do BTG que está cuidando da arena pois quer aprovar na 3ª (possivelmente se refere às obras do complexo Beira-rio, do Sport Club Internacional).”

Em 10 de fevereiro de 2012, às 16h51, Guilherme Lacerda escreve para o então presidente da Andrade. “Otávio, já to enfrentando ps. Pepinos lá da diretoria. Assumi e vc n tchan, heim? Mas brincadeiras a parte preciso ouvi lo sobre pendência estádio internacional. Retorne me qdo puder g lacerda.”

Quatro dias depois, o diretor do BNDES, às 20h34, insiste. “Preciso realmente falar com você!”

COM A PALAVRA, A ANDRADE GUTIERREZ:

“A Andrade Gutierrez mantém o compromisso de colaborar com a Justiça. Além disto, tem feito propostas concretas para dar mais transparência e eficiência nas relações entre setores público e privado.”

COM A PALAVRA, O BNDES:

“Sobre as notícias acerca de gravações que registrariam conversas do ex-diretor do BNDES Guilherme Lacerda com o ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Azevedo, o BNDES informa:

Guilherme Lacerda foi diretor da Área de Infraestrutura Social, Meio Ambiente e Agricultura do BNDES, entre 2012 e 2015, e não faz parte dos quadros do Banco.

Nenhum diretor no BNDES tem atribuições e/ou poder de aprovar isoladamente financiamentos a qualquer projeto. Quando uma empresa apresenta ao BNDES pedido de financiamento para um determinado projeto, tal operação é avaliada por diversas equipes de análise, num processo que passa pelo exame de, pelo menos, 50 pessoas. No fim desse processo de análise, todos os projetos que tenham sido enquadrados pelas áreas técnicas são encaminhados à diretoria, que, em reuniões semanais e em colegiado, as avalia e decide se as operações serão ou não aprovadas.

Após a aprovação e a contratação da operação, os desembolsos são feitos, exclusivamente, frente à comprovação via notas fiscais e à evolução física dos projetos.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.