As razões de Toffoli para livrar Russomano

As razões de Toffoli para livrar Russomano

Ministro do Supremo, revisor da Ação Penal 504, absolveu deputado do PRB, pré candidato à Prefeitura de São Paulo, porque considerou sua conduta 'atípica'; Celso de Mello e Gilmar Mendes seguiram o voto

Redação

09 Agosto 2016 | 21h19

votorussomanno

 

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira, 9, por 3 votos a 2, absolver o deputado federal Celso Russomanno (PRB) da condenação pelo crime de peculato. Com a decisão, Russomanno, que lidera pesquisas de intenção de voto para a prefeitura de São Paulo, não será enquadrado na Lei da Ficha Limpa e por isso fica liberado para disputar as eleições neste ano. Caso fosse confirmada sua condenação, Russomanno ficaria inelegível.

A decisão do STF vem a menos de uma semana do fim do prazo para registro de candidaturas perante à Justiça Eleitoral. Os ministros Celso de Mello e Gilmar Mendes seguiram o voto do revisor Dias Toffoli e absolveram o parlamentar.

 

Mais conteúdo sobre:

Celso RussomannoSTF