As pandemias como pauta das cidades ecointeligentes

As pandemias como pauta das cidades ecointeligentes

Marta Luciane Fischer e Selene Elifio-Esposito*

18 de março de 2021 | 08h30

Marta Luciane Fischer e Selene Elifio-Esposito. FOTO: DIVULGAÇÃO

A interconexão entre os componentes bióticos (seres vivos) e abióticos (fatores físicos, químicos e geológicos do ambiente) constituintes do meio é um aspecto essencial da ecologia. Nas cidades – da mesma forma como ocorre nos ambientes naturais –, plantas, animais e seres humanos coabitam e interagem entre si e com o meio urbano. A globalização e as novas organizações econômicas e sociais evidenciam a quebra das barreiras geográficas entre os indivíduos, ampliando o espectro de saúde necessário para garantir a sobrevivência individual. Num contexto de pandemia, fica ainda mais evidente a necessidade constante do desenvolvimento de estratégias em busca do equilíbrio nas relações entre os habitantes dos ambientes urbanos.

As pandemias permeiam a história das civilizações, enquanto a busca pelo enfrentamento e combate às doenças transmissíveis foi um forte impulsionador do desenvolvimento científico e tecnológico nas áreas médica e biológica. O conhecimento dos processos biológicos de interação dos microrganismos patogênicos com o organismo humano, por exemplo, levou ao aprimoramento na identificação e enfrentamento de doenças que permitiram a duplicação da expectativa de vida nos últimos 100 anos. Ocorre que apenas conhecimento e tecnologia não são suficientes para que o acesso seja equitativo a toda a população, considerando a amplitude local e global.

A concepção de saúde global tem três níveis de conexão: a) corpo/mente/espírito; b) indivíduo/sociedade/ambiente; c) local/global. Essas conexões retroalimentam os processos que imputam resistência e resiliência aos organismos e permitem que eles enfrentem os agentes agressores. Esses processos são naturais e conhecidos e praticados por culturas ancestrais e tradicionais. Vale, assim, destacar que o distanciamento do ser humano da natureza, da sociedade e de si mesmo, motivado por um novo arranjo estrutural de sua própria sociedade, com o rápido estabelecimento dos centros urbanos, desafiou os próprios processos de seleção natural.

Devido à sua natureza biológica, potencializada pelo processo civilizatório, as pandemias encontram na ecologia urbana e nas cidades ecointeligentes um espaço para pesquisa científica, desenvolvimento de tecnologia para enfrentamento e mudança de condutas para prevenção. Entender os cidadãos como um dos elementos componentes de uma complexa teia de conexões é o primeiro passo para motivar o conhecimento do impacto e do potencial dessas mesmas conexões.

Desta forma, a cidade ecointeligente transpõe e busca, de maneira inovadora e prática, de meios de proporcionar ferramentas para o cidadão assumir a responsabilidade e o protagonismo nas decisões individuais em consonância com interesses coletivos e em prol de um futuro factível.

A situação vivenciada com a pandemia da Covid-19 tem nos colocado de frente com inúmeras limitações técnicas, sociais, políticas, econômicas e pessoais que impedem a concretização de uma cidade sustentável, justa e que tenha como valor a qualidade de vida de todos seus habitantes, sejam eles pessoas, animais ou plantas – desta ou de futuras gerações.

*Marta Luciane Fischer e Selene Elifio-Esposito são coordenadoras da especialização Ecologia Urbana: Construindo a Cidade Ecointeligente, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.