As nove provas de Moro contra Bolsonaro

As nove provas de Moro contra Bolsonaro

Ex-ministro afirma que conversas trocadas com o presidente e a deputada federal Carla Zambelli, futuros depoimentos do ex-diretor-geral Maurício Valeixo e protocolos de relatórios da Abin provariam suas declarações de 'interferência política' na corporação

Fausto Macedo, Paulo Roberto Netto, Pepita Ortega/SÃO PAULO, Rafael Moraes Moura e Vinicius Valfré/BRASÍLIA

05 de maio de 2020 | 21h27

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública relatou à Polícia Federal que tem nove provas que confirmariam as suas acusações de ‘interferências políticas’ do presidente Jair Bolsonaro no comando da corporação. Em longo depoimento de oito horas em Curitiba, o ex-juiz da Lava Jato listou o que embasariam suas declarações.

Entre as provas indicadas por Moro, além do seu próprio depoimento, estão as mensagens trocadas com Bolsonaro, na qual o presidente encaminha notícia do portal O Antagonista sobre inquérito da PF mirar aliados políticos do Planalto e diz: ‘Mais um motivo para troca’. Segundo Moro, outras mensagens também foram disponibilizadas à PF.

Moro cita protocolos de relatórios de inteligência produzidos pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), produzidos com base em informações repassadas pela Polícia Federal e que eram entregues ao presidente, que provariam que Bolsonaro já tinha acesso a informações de inteligência que legalmente tinha direito.

O ex-ministro de Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Foto: Adriano Machado / Reuters

Os depoimentos futuros do ex-diretor-geral Maurício Valeixo e do ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, poderiam provar as acusações de Moro sobre a insistência de Bolsonaro em trocar o comando da corporação fluminense. No ano passado, Saadi foi exonerado do cargo por motivo familiar e o presidente tentou emplacar um nome de sua confiança alegando que a exoneração era por ‘falta de produtividade’, justificativa rechaçada pela cúpula da PF.

Moro também lista ‘todo o histórico’ de declarações públicas de Bolsonaro em que pressionava a troca de comando da PF Rio, desde agosto do ano passado, e as recentes, sobre as mudanças na direção-geral da corporação.

Veja abaixo as nove provas listadas por Moro:

1. Depoimento à Justiça Federal, prestado no dia 2 de maio na superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

2. Mensagens trocadas com Bolsonaro no dia 23 de abril, incluindo a que o presidente diz ‘Mais um motivo para a troca’ e outras mensagens ‘ora disponibilizadas’.

3. Todo o histórico de pressões do presidente para a troca de comando da Superintendência da PF no Rio, por duas vezes, e da direção-geral da PF, citando a ocasião, em agosto do ano passado, em que Bolsonaro afirmou que trocaria o comando da corporação fluminense ‘por falta de produtividade’ e emplacaria um nome de sua escolha.

4. Declarações do próprio presidente em seu pronunciamento, nas quais admite a intenção de trocar dois superintendentes, inclusive, o do Rio de Janeiro, sem apresentar motivos.

5. As declarações de Bolsonaro na reunião do conselho de ministros no dia 22 de abril, gravadas pelo Planalto, em que o presidente disse que iria ‘interferir em todos os ministérios’ e trocaria o ministro da Justiça se não pudesse trocar o superintendente da PF no Rio.

6. Protocolos de relatórios de inteligência produzidos pela Abin produzidos com base em informações repassadas pela PF e que demonstram que o presidente já tinha acesso às informações de inteligência da PF as quais legalmente tinha direito.

7. Protocolos de relatórios da Diretoria de Inteligência da PF.

8. Declarações, a serem feitas, pelo ex-diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo e o ex-superindente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi.

9. Mensagens trocadas com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), incluindo a que ela oferece ao ex-juiz da Lava Jato influência com o presidente para indicá-lo a uma vaga no Supremo Tribunal Federal em troca de Alexandre Ramagem na Polícia Federal

Tudo o que sabemos sobre:

Jair BolsonaroSérgio MoroPolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.