As mudanças no comportamento do consumidor e a aceleração do entretenimento digital em dispositivos móveis

As mudanças no comportamento do consumidor e a aceleração do entretenimento digital em dispositivos móveis

Renato Citrini*

27 de junho de 2020 | 14h00

Renato Citrini. FOTO: DIVULGAÇÃO

O mercado de tecnologia passa por um momento de aprendizado, em que uma onda de mudanças comportamentais no ambiente offline gerou uma série de alterações no online. Sem poder praticar esportes ou desfrutar de ambientes externos, como restaurantes, bares e cinemas, as pessoas reimaginaram as formas de se divertir e intensificaram o entretenimento digital. Diante deste cenário, o smartphone reforçou seu posicionamento como um centro de recursos e serviços e tem cumprido papel fundamental, principalmente em relação ao consumo de conteúdo em áudio e vídeo.

Ao analisarmos o atual contexto, é necessário relembrarmos a escalada gradual que os smartphones tiveram como plataforma de entretenimento na última década. A partir da massificação da rede 3G, as pessoas acentuaram sua relação com os dispositivos móveis, navegando pelas redes sociais por mais tempo e em diferentes lugares. Depois, com o surgimento da rede 4G, passaram a consumir muito mais conteúdo pelo smartphone, com destaque para filmes, séries e músicas, e também jogos eletrônicos. E isso, claro, está diretamente interligado ao processo de aceleração do entretenimento digital que temos visto nos últimos meses.

De acordo com pesquisa divulgada pelo Instituto QualiBest na segunda quinzena de março deste ano, 42% dos brasileiros haviam assinado ou estavam interessados em serviços de streaming de vídeo pensando neste período de isolamento em casa. Em segundo lugar neste ranking de opções digitais, figuravam os jogos eletrônicos (20%), enquanto as plataformas de streaming de música (18%) completavam o pódio. E qual é a relação do smartphone com esses indicadores?

Atualmente, o smartphone é o principal ponto de convergência para plataformas de streaming de vídeo, música e jogos eletrônicos. Todos esses aspectos impactam diretamente a indústria de smartphones e projeções futuras. Ao idealizar um dispositivo e suas soluções tecnológicas, o principal ponto das empresas é identificar como determinado conjunto de recursos poderá ser útil na rotina das pessoas. E o desenvolvimento de ferramentas que aprimorem o entretenimento é parte fundamental disso.

Nos próximos anos, com a iminente expansão da rede 5G, o entretenimento digital por meio de dispositivos móveis alcançará um novo e entusiasmante nível. Esta nova rede de conexão não só potencializará o consumo de conteúdo como conhecemos hoje em dia, como também ocasionará a criação de inúmeras novas possibilidades.

Com a intensificação da integração entre pessoas e tecnologia que vem ocorrendo nas últimas semanas, a tendência é de que os consumidores passem a ser ainda mais exigentes, investindo em produtos que estejam interligados, de fato, aos seus anseios para utilização no cotidiano. Mais do que recursos tecnológicos, a principal conexão de um smartphone deve ser, sempre, com as pessoas.

*Renato Citrini, gerente sênior de Produto da divisão de dispositivos móveis da Samsung Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.