As eleições vêm aí! Estamos bem representados?

As eleições vêm aí! Estamos bem representados?

Márcio Ramos e Ariel Mehler*

10 de novembro de 2020 | 16h15

Ariel Mehler e Márcio Ramos. FOTOS: ARQUIVO PESSOAL

Um vereador tem algumas funções, mas uma das mais importantes é dentro da Câmara. Cabe a ele aprovar ou rejeitar projetos de lei, elaborar decretos legislativos, resoluções, indicações, pareceres, requerimentos e participar de comissões permanentes.

Grande parte do nosso dia-a-dia nasce ou passa pela mão dos vereadores. Infelizmente, o que mais vemos é a aprovação de leis absurdas e a reprovação de projetos importantes. Como contexto, citamos alguns exemplos emblemáticos recentes:

  • A Câmara Municipal discute formas de dificultar e burocratizar o trabalho dos cerca de 280 mil entregadores autônomos que atuam na grande São Paulo. Querem instituir a necessidade de placa vermelha, que pode tirar o emprego dos entregadores, diminuindo a oferta para clientes e restaurantes. O projeto de lei (PL) 130/2019 inclui na categoria de motofretistas colaboradores de aplicativos de entrega. Com isso, os entregadores entrariam na categoria profissional de motofrete. A Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (AMOBITEC) estima que 84% dos entregadores não possam se regularizar devido a essa nova burocracia, sendo forçosamente excluídos do mercado, perdendo sua fonte de renda. Por incrível que pareça, esse PL foi aprovado em primeiro turno em agosto desse ano, em meio a uma pandemia que destruiu inúmeros empregos;
  • Em outra frente, projetos de leis apresentados na mesma Câmara tentam diminuir o número de motoristas de aplicativos e aumentar o preço das corridas. Um exemplo disso é o  PL 419/18 que busca limitar esses motoristas ao total de taxistas em São Paulo, impedir a criação de pontos físicos (como os pontos de encontro da Uber em aeroportos) e regular as caronas solidárias (como Waze Carpool e outros).

Uma forma de combater esses absurdos é elegermos políticos/candidatos liberais. Mas o que seria um liberal? Um liberal defende que os indivíduos sejam livres para interagir entre si desde que respeitem os direitos fundamentais à vida, à liberdade, à propriedade e à busca da felicidade. Vereadores alinhados com o liberalismo ajudariam a garantir esses direitos através do império da lei, com uma fiscalização eficiente do Executivo e do Legislativo.

É pelos exemplos acima que precisamos de representantes liberais no legislativo municipal para que nossa cidade possa evoluir. É necessário trabalhar para barrar ideias descabidas e impedir o crescimento desordenado do Estado, rejeitando propostas que vão desde a criação de novos cargos, à criação de novas secretarias.

Por isso, no próximo dia 15 de novembro, é de extrema importância votar em alguém comprometido com uma sociedade mais livre e próspera. Ao escolhermos nosso voto para a prefeitura da cidade levamos em conta todas as premissas em que acreditamos, mas nem sempre as usamos para definir vereadores. No entanto, uma Câmara que tenha parte de seus legisladores alinhados com os valores de respeito à vida, à individualidade, à propriedade privada e à liberdade pode contribuir muito para a nossa cidade. Pensemos nisso antes de votar.

*Márcio Ramos, graduado em comunicação social com ênfase em marketing pela ESPM-SP, líder global de multichannel capabilites da Eli Lilly, diretor do 7.º Fórum Liberdade e Democracia e presidente do Instituto de Formação de Líderes de São Paulo

*Ariel Mehler, graduado em engenharia de produção pelo Instituto Mauá de Tecnologia, pós-graduado pela FGV MBA com foco em finanças, diretor industrial da Adatex S.A. e vice-presidente do Instituto de Formação de Líderes de São Paulo

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoEleições 2020

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.