‘Arriscar a vida pra combater privilégios não é piada’, diz ‘Mamãe Falei’ após agressões na Assembleia de SP

‘Arriscar a vida pra combater privilégios não é piada’, diz ‘Mamãe Falei’ após agressões na Assembleia de SP

No Twitter, Arthur do Val se manifestou sobre a confusão que se intaurou no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo depois que chamou petistas e esquerdistas de 'vagabundos' e disse que não é 'fácil defender o que é certo'

Redação

05 de dezembro de 2019 | 10h31

O deputado Arthur do Val durante confusão na Assembleia Legislativa de são Paulo nesta quarta, 04. Foto: Reprodução / Rede Alesp

Após o discurso que terminou em empurrões e agressões físicas no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta quarta, 04, o deputado estadual Arthur do Val (sem partido), afirmou em seu perfil no Twitter que ‘arriscar a vida pra combater privilégios não é piada’. A confusão na Alesp teve início após o parlamentar chamar petistas e esquerdistas de ‘vagabundos’. O deputado conhecido como ‘Mamãe Falei’ disse ainda, em outras postagens, que ‘não encostou em ninguém’ durante o tumulto na Casa Legislativa paulista e que não é ‘fácil defender o que é certo’.

A manifestação sobre o ‘combate aos privilégios’ se deu em resposta a uma publicação do youtuber Felipe Neto, que compartilhou o vídeo sobre o tumulto iniciado após o parlamentar faz comentários sobre os líderes sindicalistas. “A política brasileira virou piada”, escreveu Felipe Neto.

No vídeo, Arthur do Val diz: “Levanta a mão quem é machão. Levanta a mão o líder sindical aí. Quem é líder sindical aí? Levanta a mão. Ta com medo? Quero ver me encarar, líder sindical. Eu quero pegar você. Eu quero pegar você, que toma o dinheiro dos trabalhadores. Bando de vagabundo”.

O plenário é então tomado por parlamentares e apoiadores.

Com a confusão, a sessão parlamentar foi suspensa. Na ocasião, os parlamentares discutiam a Reforma da Previdência no Estado.

Ao Estado, Arthur do Val afirmou: “O contexto é o seguinte: o Enio Tatto subiu na tribuna e falou que a Janaína Paschoal sentou no colo do governador João Doria, o que é (uma afirmação) inadmissível”.

“Subi na tribuna para defender ela e expus algumas coisas que incomodaram”, disse, se referindo ao fato de que o tucano Cauê Macris, presidente da Alesp, foi eleito com o apoio do PT.

O deputado ainda abordou o caso em um vídeo publicado em seu canal no youtube, no qual alega que os sindicalistas presentes na sessão da Alesp o ameaçaram de morte e tentaram intimidá-lo.

Veja alguns vídeos da confusão compartilhados no Twitter:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: