Aras escala ex-chefe da Abin como ‘colaborador eventual’ de comissão que monitora autonomia do MPF

Aras escala ex-chefe da Abin como ‘colaborador eventual’ de comissão que monitora autonomia do MPF

Wilson Roberto Trezza, que esteve à frente da Agência Brasileira de Inteligência por oito anos, foi designado para contribuir com a Comissão de Preservação da Autonomia da instituição

Rayssa Motta e Fausto Macedo

12 de agosto de 2020 | 12h49

Wilson Roberto Trezza, ex-diretor geral da Abin Foto: Foto: José Cruz / Agência Senado

O procurador-geral da República, Augusto Aras, designou Wilson Roberto Trezza, ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para colaborar com a Comissão de Preservação da Autonomia do Ministério Público Federal. A nomeação foi publicada em portaria no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 12.

Trezza, que dirigiu a Abin por oito anos, vai trabalhar como colaborador eventual, de modo que não será remunerado. A assessoria de imprensa do Conselho Superior do Ministério Público informou a escolha decorre da ‘expertise’ do nomeado, mas não deu detalhes sobre as funções a serem exercidas por ele.

A Comissão, presidida pelo conselheiro Marcelo Weitzel, cuida da elaboração de estudos e manifestações relacionados à preservação da autonomia da instituição. Em sua estrutura, está alocada a Secretaria Executiva de Segurança Institucional do MPF.

COM A PALAVRA, A PGR

O colaborador Wilson Roberto Trezza foi nomeado a pedido do conselheiro do CNMP Marcelo Weitzel. O procurador-geral da República assina a portaria na condição de presidente do conselho.

O colaborador não cumprirá expediente, somente atuará por demanda do conselheiro Marcelo Weitzel. Como colaborador, não terá vinculação direta nem receberá salário.

COM A PALAVRA, O CONSELHO DO MINISTÉRIO PÚBLICO
Foi publicada, no Diário Oficial do dia 12 de agosto, a nomeação de Wilson Roberto Trezza como membro colaborador da Comissão de Preservação da Autonomia do Ministério Público (CPAMP), do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A nomeação atende ao pedido do conselheiro do CNMP Marcelo Weitzel, presidente da referida Comissão. O procurador-geral da República assina a portaria na condição de presidente do CNMP.
O membro colaborador não cumprirá expediente, somente atuará por demanda do conselheiro Marcelo Weitzel. Como colaborador, não terá vinculação direta nem receberá salário.
A nomeação, segundo o presidente da Comissão, atende ao objetivo de auxiliar, com sua experiência profissional, a área relacionada à segurança institucional dos membros, atribuição da CPAMP.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.