Aras ataca redução de férias dos procuradores e desafia Legislativo e Executivo

Aras ataca redução de férias dos procuradores e desafia Legislativo e Executivo

Em nota divulgada nesta segunda, 4, procurador-geral questiona enfaticamente PEC que impõe o corte pela metade dos dois meses de descanso no Ministério Público

Paulo Roberto Netto/SÃO PAULO e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

04 de novembro de 2019 | 19h00

O procurador-geral da República Augusto Aras alegou ‘carga de trabalho desumana’ em nota pública divulgada nesta segunda-feira, 4, para questionar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê a redução de 60 para 30 dias do período de férias de promotores e procuradores do Ministério Público. A iniciativa é analisada pela equipe econômica para integrar o pacote da reforma administrativa do governo, que será apresentada nesta semana.

O procurador-geral da República Augusto Aras, em Brasília. Foto: Sergio Almeida / CNMP

A nota de Aras é a primeira ofensiva da PGR contra a possibilidade de corte de férias na instituição, medida que atingiria também os magistrados – outra categoria que desfruta do benefício.

O chefe do Ministério Público lança um desafio. “Caso o Parlamento pretenda levar adiante a redução das férias, é provável que tenhamos que discutir, também, a necessidade de se estabelecer jornada de trabalho e férias de 30 dias para os membros dos Poderes Legislativo e Executivo – o que seria o caos na vida nacional.”

Segundo Aras, o ‘Ministério Público tem de cumprir prazos exíguos’ enquanto recebe mensalmente cerca de 500 processos, ‘muitos dos quais exigindo complexidade e exame profundo da matéria de fato e de direito’.

“A carga de trabalho de cada membro torna-se até certo ponto desumana até porque seu quadro de pessoal permanece deficitário há muito tempo, forçando substituições ou ausência do Ministério Público em locais importantes do imenso território que ele tem de estar presente”, alega Aras, em nota. “Acrescente-se a tais dificuldades o campo de atuação do MP, em todos os setores da vida nacional.”

O procurador-geral argumenta que reduzir as férias do Ministério Público para trinta dias, igualando-os ao de servidores públicos em geral seria ‘ignorar as importantes atribuições’ de promotores e procuradores, ‘vulnerando o seu poder de iniciativa, a complexidade e diversidade de sua função’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: