Aras alerta que não tem perfis em redes e que só dá opinião nos processos em que atua

Aras alerta que não tem perfis em redes e que só dá opinião nos processos em que atua

Segundo apurado pelo Estadão, o procurador-geral da República ficou preocupado com contas que levam seu nome, em especial uma no Instagram com teor bolsonarista; algumas publicações tratam do inquérito das fake news, com indicações como “Não deixarei” e “Vou barrar esse inquérito”; outras fotos e vídeos tem como legenda as frases “o povo armado jamais será escravizado” e “viva Bolsonaro”

Redação

12 de junho de 2020 | 16h58

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Gabriela Biló / Estadão

O procurador-geral da República, Augusto Aras, divulgou nota nesta sexta, 12, para reiterar que não mantém perfil em nenhuma rede social e destacar que expressa suas opiniões nas manifestações elaboradas nos processos judiciais em que atua. “O PGR lamenta que seu nome seja utilizado por pessoas e grupos mal intencionados e repudia mensagens de ódio ou com qualquer outro conteúdo veiculadas em seu nome por perfis falsos”, afirma o texto.

Segundo apurado pelo Estadão, o chefe do Ministério Público ficou preocupado com contas que levam seu nome em redes sociais, em especial uma no Instagram com teor bolsonarista.

Entre as postagens do perfil em questão, há conteúdos replicados de páginas de parlamentares aliados de Bolsonaro, como Carla Zambelli e Carlos Jordy. A primeira publicação exibida no perfil foi realizada em 27 de maio e replicada da conta do filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro.

Há ainda publicações contra governadores, entre eles o chefe do executivo paulista João Doria, e contra o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Muitos dos posts tratam do inquérito das fake news, sendo que em alguns deles há a indicação “Não deixarei” e “Vou barrar esse inquérito”. Outras fotos e vídeos tem como legenda as frases “o povo armado jamais será escravizado” e “viva Bolsonaro”.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.