Aprendizado em tempos de pandemia: 5 dicas para se adaptar ao ensino remoto

Aprendizado em tempos de pandemia: 5 dicas para se adaptar ao ensino remoto

Alexandre Tibechrani*

25 de julho de 2021 | 04h00

Alexandre Tibechrani. FOTO: DIVULGAÇÃO

Com a pandemia do Covid-19, nossa rotina mudou drasticamente e, de repente, nos vimos em reuniões familiares, encontros com amigos e conversas de trabalho através de uma tela. O mesmo aconteceu com a educação, que foi um dos setores mais afetados com o isolamento social. Para continuar com o funcionamento, as escolas tiveram que adotar o ensino online e se adaptar à nova realidade, em alguns casos, de maneira improvisada, com poucos recursos e a inexperiência ao lidar com as novas tecnologias e inovação.

Agora, após mais de um ano, muita gente vem vencendo desafios que sinalizam um futuro com estudantes conectados à escola e professores cada vez mais semelhantes a influenciadores. Do ponto de vista da gestão escolar, as atividades online devem seguir por muito tempo como uma alternativa para facilitar o aprendizado. Depois de realizar mais de 40 bootcamps e ensinar mais de dois mil alunos remotamente globalmente ao longo de 2020, temos algumas dicas para quem deseja melhorar o desempenho no aprendizado remoto.

1. Planejamento é chave

Estipular um horário e identificar de forma clara quais são os objetivos diários, ajuda a manter o foco e a motivação ao longo do dia. É importante reservar um tempo para praticar e repassar os conhecimentos adquiridos nas aulas e também para adiantar os projetos de grupo. O ideal é equilibrar o tempo de trabalho sozinho e em equipe.

Também é preciso planejar o tempo de descanso. Às vezes, quando trabalhamos remotamente, as horas passam voando e podemos perder a noção do tempo. É preciso desconectar, mudar sua postura e se mover um pouco. Além disso, é recomendado não ligar o computador ou o celular logo ao acordar, afinal, boa parte do seu dia já vai ser em frente às telas e é fácil ficar saturado.

2) Ambiente adequado

O ambiente de estudo tem um grande impacto no nível de concentração. Por isso, tente escolher um lugar fixo para ser a sala de aula. O ideal é que seja com bastante luz e silêncio, onde você possa se isolar.

Caso seja necessário o contato com outras pessoas, é essencial organizar sessões de trabalho em conjunto com colegas, inclusive para tarefas individuais. Manter a motivação é uma das grandes dificuldades no estudo à distância.

3) Nível de concentração

Não existe uma fórmula mágica que funcione para todo mundo, mas há métodos que ajudam o estudo a ser mais eficaz. Uma técnica muito popular é a chamada “Pomodoro”, funciona assim: para cada 25 minutos de concentração, é necessário calcular intervalos de descanso de 5 a 10 minutos. O Google Chrome tem algumas extensões que podem te ajudar nesta missão, como o de mesmo nome, Pomodoro.

Algumas playlists no Spotify também podem ajudar a se concentrar e a descobrir novos artistas ao mesmo tempo. Além disso, existem aplicativos que bloqueiam alguns sites e te obrigam a ter mais disciplina, como, por exemplo, o Stay Focused, Dayboard: New Tab & Site blocker e Momentum.

4) Ferramentas colaborativas

Manter os materiais de forma organizada na nuvem é essencial para acesso rápido e para que os trabalhos em grupo sejam mais colaborativos. Também é importante combinar horários com colegas para trocar ideias em tempo real, já que é uma maneira de simular as interações que aconteceriam em sala de aula. Dependendo da área de atuação, vale a pena investigar mais sobre ferramentas colaborativas com aplicações mais específicas. Entre as nossas queridinhas, se destacam: Notion, Trello, Miro e ferramentas em nuvem do Google Workspace, como Drive, Sheets, Docs e demais aplicativos.

5) Pedir ajuda quando precisar

Uma das vantagens que a formação online com aulas ao vivo trouxe é o fato de que grande parte dos alunos têm ainda mais autonomia, assumindo a responsabilidade pelo aprendizado. Isso pode funcionar a seu favor, fazendo com que primeiro você tente descobrir as coisas por conta própria, antes de começar a fazer perguntas. Além disso, as aulas remotas evitam distrações e comparações desnecessárias.

Existem pontos positivos neste novo contexto, porém, é muito importante não se perder ou se desconectar. Sempre que surgirem dúvidas que impossibilitem o progresso, é essencial compartilhar. Vale lembrar que respeitar os horários de aula é essencial e organizar grupos de estudos com colegas e professores disponíveis é tão importante quanto a presença nas aulas oficiais. O ideal é preparar algumas perguntas antecipadamente e sinalizar os caminhos já percorridos anteriormente para um melhor aproveitamento do tempo conjunto.

Por fim, mas não menos importante, a situação que vivemos pede mais comunicação do que nunca. Nossa experiência provou que o sentimento de pertencimento e comunidade nos ajuda a lidar com eventuais frustrações técnicas e manter a resiliência necessária para cruzar a linha de chegada com energia e motivação. A responsabilidade é individual, mas o aprendizado é colaborativo!

*Alexandre Tibechrani é General Manager Latam da Ironhack

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.