Após ficar em domiciliar por covid, ex-secretário do Rio vai para prisão

Após ficar em domiciliar por covid, ex-secretário do Rio vai para prisão

Pedro Fernandes, que comandou a Educação no governo Witzel, é acusado de fraude em contratos de quando trabalhava no governo Luiz Fernando Pezão

Caio Sartori / RIO

30 de setembro de 2020 | 14h10

Pedro Fernandes. Foto: Reprodução/Facebook

O ex-secretário de Educação do governo Wilson Witzel (PSC), Pedro Fernandes, foi para a cadeia na manhã desta quarta-feira, 30. Ele estava, desde o dia 11 deste mês, em prisão domiciliar – na hora em que os agentes cumpriram o mandado, ele apresentou exame positivo para covid-19. Segundo o Ministério Público, em pedido acatado pela Justiça, o período de quarentena dele acabou.

Com isso, os agentes o buscaram nesta manhã na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. Ele foi levado para a sede da Polícia Civil antes de passar pelo Instituto Médico Legal e ser encaminhado para o sistema prisional. Num primeiro momento, ficará detido em Benfica, na zona norte, onde se faz uma triagem. A tendência é que vá depois para o complexo de Bangu, na zona oeste.

Fernandes foi alvo da Operação Catarata 2, que mirou esquemas fraudulentos na Fundação Leão XIII, braço de assistência social do governo do Estado. Ele era secretário de Assistência Social e de Ciência e Tecnologia durante a gestão de Luiz Fernando Pezão (MDB).

A operação foi a mesma que levou à prisão da ex-deputada Cristiane Brasil (PTB), filha de Roberto Jefferson. O MP e a Polícia Civil afirmam que o esquema pode ter desviado cerca de R$ 30 milhões por meio de fraudes em contratos da Fundação Leão XIII.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.