Após depoimento, Barroso determina devolução do passaporte de Carlos Wizard

Após depoimento, Barroso determina devolução do passaporte de Carlos Wizard

Empresário permaneceu em silêncio durante interrogatório na comissão parlamentar

Rayssa Motta

02 de julho de 2021 | 15h42

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a devolução do passaporte do empresário Carlos Wizard. O documento estava retido a pedido da CPI da Covid depois que ele faltou ao primeiro depoimento na comissão parlamentar.

Apontado como integrante do suposto ‘gabinete paralelo’ de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro na pandemia e já inserido na lista de investigados da comissão de inquérito no Senado Federal, o empresário se apresentou aos parlamentares na quarta-feira, 30, quando desembarcou dos Estados Unidos. Após o interrogatório, Barroso autorizou a liberação do passaporte.

O empresário Carlos Wizard em depoimento à CPI da Covid. Foto: Gabriela Biló/Estadão

“Defiro a liminar para determinar a devolução do passaporte do paciente, incumbindo ao Juízo da 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Campinas a adoção das providências necessárias. Comunique-se, com urgência, à autoridade impetrada e ao Juízo da 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Campinas”, escreveu.

Na semana passada, ao suspender a condução coercitiva do empresário, o ministro avisou que decidiria ‘oportunamente’ sobre a devolução do documento.

Em seu depoimento, Wizard fez uso do habeas corpus que lhe garantiu direito ao silêncio e se recusou a responder a maioria das perguntas feitas pelos parlamentares. O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, sinalizou que vai recorrer do salvo-conduto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.