Após aval de buscas contra auxiliar de deputado do PSL, carreata em Ribeirão Preto é cancelada

Após aval de buscas contra auxiliar de deputado do PSL, carreata em Ribeirão Preto é cancelada

Vanessa Aparecida Pereira Barbosa, da Vara de Plantão do município paulista, mandou recolher computadores de quem convocou a manifestação, incluindo servidor do gabinete do deputado Douglas Garcia

Paulo Roberto Netto

28 de março de 2020 | 19h19

A carreata contra o isolamento social de Ribeirão Preto (SP) foi cancelada no início da noite deste sábado, 28, após a juíza de plantão Vanessa Aparecida Pereira Barbosa determinar buscas e apreensões contra os organizadores do evento. Um dos alvos da ação é o auxiliar parlamentar Maicon Tropiano, lotado no gabinete do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Em mensagem publicada nas redes sociais, a página Movimento Conservador informa que não haveria tempo hábil para recorrer da decisão de forma a garantir a carreata programa para a tarde de domingo, 29. O grupo diz discordar ‘frontalmente’ da magistrada, que barrou a manifestação sob multa de R$ 100 mil, e que irá recorrer ‘naquilo que for cabível’.

Mais cedo, a juíza deu aval a pedido do Ministério Público de São Paulo apreender computadores de organizadores do evento, incluindo Maicon Tropiano. A decisão visa apurar ‘a extensão dos ilícitos’ e a ‘motivação das ações criminosas’ envolvendo a convocação para a carreata. Também foi autorizada a quebra do sigilo de dados.

Em resposta à reportagem, o gabinete do deputado Douglas Garcia, no qual está lotado o auxiliar parlamentar Maicon Tropiano, criticou a decisão e afirmou que ele não era organizador do evento. “A busca e apreensão determinada é um absurdo! Sendo que a carreata é uma manifestação legítima e pacífica, não implicando em aglomeração de pessoas”.

O deputado estadual Douglas Garcia durante discussão orlamentária na Alesp. Foto: Alex Silva / Estadão

Além de busca contra os organizadores do evento, a juíza também proibiu a manifestação e impôs multa de R$ 100 mil a quem descumprir a ordem. A decisão também deverá ser enviada a todos que participaram do grupo de WhatsApp criado para mobilização da carreata.

COM A PALAVRA, O AUXILIAR PARLAMENTAR MAICON TROPIANO
Em resposta à reportagem, o gabinete do deputado Douglas Garcia, no qual está lotado o auxiliar parlamentar Maicon Tropiano, criticou a decisão e afirmou que ele não era organizador do evento. “A busca e apreensão determinada é um absurdo! Sendo que a carreata é uma manifestação legítima e pacífica, não implicando em aglomeração de pessoas”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: