Juiz contesta, no CNJ, divulgação de nomes de plantonistas nos tribunais

Juiz contesta, no CNJ, divulgação de nomes de plantonistas nos tribunais

Carlos Garcete, da 1.ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, sugeriu ao Conselho Nacional de Justiça, alterações em resolução que trata de plantões judiciais

Julia Affonso

17 Julho 2018 | 06h00

CNJ. Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ

O juiz da 1.ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Carlos Garcete, enviou em agosto do ano passado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma proposta para alterar o regime de plantão judiciário em primeiro e segundo graus de jurisdição, disciplinado pela Resolução 71, do órgão. Em uma das modificações, o magistrado solicita que o nome dos juízes e desembargadores em plantão não sejam divulgados.

Em maio deste ano, o pedido de Garcete foi juntado a um outro processo – da Associação dos Magistrados do Distrito Federal e Territórios e da Associação Nacional dos Magistrados Estaduais – Anamages). Os casos foram incluídos na pauta de sete sessões do CNJ entre maio e junho deste ano.

Os plantões judiciários foram alvo de questionamentos após o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, soltou o ex-presidente Lula – preso desde 7 de abril pela Operação Lava Jato. Em plantão, em 8 de julho, o magistrado atendeu a um pedido feito 32 minutos depois do começo do plantão e mandou tirar Lula do cárcere por duas vezes.

A primeira decisão do desembargador Favreto foi derrubada pelo relator da Lava Jato, João Pedro Gebran Neto. As duas ordens de soltura perderam efeito, por decisão do presidente da Corte, Thompson Flores.

A Resolução 71 foi assinada em 2009 pelo então presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. O despacho tem 13 artigos.

Em seu pedido de providências, o juiz Carlos Garcete solicita ao Conselho que ‘aperfeiçoe a Resolução’. O magistrado requer a inclusão da ‘obrigatoriedade de constar, em decisões proferidas durante plantões judiciários, preliminares expositivas da necessidade do exame do caso naquele período excepcional, sob pena de perecimento de direito’.

Em outro trecho, Carlos Garcete solicita que os nomes dos magistrados plantonistas não sejam divulgados previamente. Para o juiz, a comunicação é um ‘flagrante equívoco’.

“Referida divulgação – prévia e pública – acaba por direcionar, inequivocamente, grande parte de pleitos em plantões, haja vista que advogados militantes, por conhecerem previamente posicionamentos específicos de magistrados sobre temas Jurídicos, notadamente em caso de desembargadores, acabam por aguardar o plantão daquele desembargador de sua preferência para distribuir, ad exemplum, habeas corpus, diante da prévia escala publicada”, requer o juiz ao CNJ.

“O que deve ser publicado previamente é o local e os contatos com os servidores plantonistas para atendimento e recebimento de petições no plantão, e não os nomes de magistrados.”

Mais conteúdo sobre:

CNJ