Ansiedade na era digital

Como a tecnologia ao mesmo tempo pode ajudar e atrapalhar a vida das pessoas

Nataly Martinelli*

14 de setembro de 2017 | 04h00

A ansiedade é um sentimento indispensável para a sobrevivência e o desenvolvimento de um sujeito. Esse sentimento, que faz parte do cotidiano das pessoas, é uma resposta normal frente uma situação de estresse ou insegurança. Muitas vezes, as sensações associadas com a ansiedade, acabam logo após a conclusão de uma situação especifica, tal como uma apresentação oral, uma entrevista de emprego, a véspera de casamento ou um significativo evento.

Quando as reações de ansiedade forem em excesso ou frequentes a ponto de prejudicar a condução das atividades diária, isso pode se tornar um transtorno de ansiedade. Os transtornos de ansiedade são os motivos de consulta mais comuns no âmbito da saúde mental. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) 5,8% da população mundial sofrem com ansiedade patológica, sendo que o Brasil tem uma das mais significativas incidências desse transtorno, representado com 9,3% da população brasileira.

Quando os sintomas da ansiedade começam a interferir no cotidiano de um sujeito, com impacto no seu rendimento, no seu humor e até na execução de tarefas rotineiras. Os sintomas englobam sentimentos de desconforto, lapsos de memória, preocupação, irritabilidade, distúrbio do sono, alteração de apetite, estresse, sentimento de perda de controle, hiperventilação, medo e percepção de fortes alterações fisiológicas (cardíaco e respiratório).

A era digital vem contribuído positivamente para a humanidade, com destaque para a possibilidade de ter acesso a informações de forma abrangente. Contudo, essa mudança de paradigma possui fatores negativos que são combustíveis para processos geradores de ansiedade, como por exemplo, a permanente vinculação com os smartphones, jogos eletrônicos e a busca por resultados imediatos. Porém voltando aos aspectos positivos, novas ferramentas que utilizam tecnológica digital foram desenvolvidas e estão inseridas no contexto atual para ajudar no processo de ansiedade de diferentes origens.

É possível constatar que a tecnologia vem apresentando uma significativa influência na vida das pessoas, tanto na forma de trabalhar, quanto na maneira que os sujeitos estão se relacionando. Essa evolução tecnológica vem ocasionando uma alteração nos padrões comportamentais. É perceptível que a comunicação se tornou mais visual e a linguagem mais instantânea.

As redes sociais são espaços que permitem o entrelaçamento e facilidade da comunicação. Há inúmeros aspectos benéficos se a pessoa possui o autocontrole quanto ao uso dessas ferramentas. Todavia se houver excesso e, portanto, mau uso desses mecanismos, pode ocorrer o desencadeamento de um transtorno de ansiedade. Este tema é bastante atual e esta correlação não é de fácil mensuração, porém estudos recentes começam a dar sinais de indicativos de ansiedade. As comprovações técnicas ainda devem demorar algum tempo para se confirmarem.

Um dos métodos que tem se mostrado efetivo para amenizar e controlar as reações de ansiedade são as técnicas de relaxamento e a visualização de cenas para realizar o processo de dessensibilizacão sistemática. Ambas as técnicas mencionadas são usadas na atualidade para tratar diversas fobias (transtorno de ansiedade). No que tange a dessensibilização por meio da visualização, a técnica se utiliza da tecnologia dos óculos de realidade virtual.

O programa utilizado nos óculos de realidade virtual é gerado por computador (aplicativo Android) e é vinculado a uma start-up Europeia. A tecnologia neste caso permite expor o paciente, gradualmente, a seus medos e traçar os seus progressos no sentido de superá-los. Essa ferramenta é muito mais abrangente posto que consegue dar suporte para o tratamento de inúmeras fobias. A combinação de técnicas de respiração como a diafragmática, relaxamento muscular progressivo e Mindfulness com o uso da realidade virtual citada possibilita uma redução dos níveis de ativação da ansiedade em nosso organismo. Logicamente que os tratamentos convencionais possibilitam a realização de processos ligados a imaginação, contudo não resta dúvida de que a tecnologia via realidade virtual vem a corroborar nesse trabalho posto que representa as situações motivadoras dos transtornos de modo mais intenso e real.

A ansiedade é parte integrante do ser humano com toda sua complexidade. Entretanto quando estes sintomas acometem um sujeito a ponto de prejudicar sua rotina, existem profissionais e inúmeras técnicas desenvolvidas no sentido de controlar essas manifestações, mesmo diante de cenários que poderíamos perder o controle. O importante é manter em dia uma auto-observação que possa transmitir o atual prognóstico da pessoa.

Dicas para controlar a ansiedade.

Embora estudos mostrem que a habilidade de lidar com a ansiedade seja parcialmente natural, também é uma questão de treino e pode ser refinada. Desta forma, existem muitas razões para sermos otimistas e acreditarmos que existem vários métodos simples e eficazes que podem ser usados para amenizar e superar esse mal. Por exemplo, realizar técnicas de relaxamento, respiração, praticar exercícios físicos, evitar pensamentos negativos ou catastróficos e conduzir um processo de autoanálise para identificar a raiz de quando e como acontecem essas reações.

*Psicóloga, especialista em transtornos de ansiedade, medos e fobias

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: