Irmã de Aécio deixa a prisão

Irmã de Aécio deixa a prisão

Andrea Neves estava presa desde 18 de maio quando foi deflagrada a Operação Patmos; agora ela vai cumprir prisão domiciliar

Fausto Macedo e Julia Affonso

22 de junho de 2017 | 07h30

Andrea Neves em 18 de maio quando foi presa. REUTERS/Cristiane Mattos

A irmã do senador Aécio Neves deixou a prisão nesta quinta-feira, 22, após mais de um mês custodiada em Belo Horizonte. Andrea Neves foi capturada na Operação Patmos, desdobramento da Lava Jato, em 18 de maio.

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu nesta terça-feira, 20, colocar Andrea Neves em prisão domiciliar. Os irmãos são acusados de pedir supostas propinas de R$ 2 milhões à JBS.

+ Janot pede novo inquérito contra Aécio por ‘propina de R$ 60 milhões’

Procuradoria cobra multa de R$ 6 milhões de Aécio e Andrea Neves

Janot liga conversa entre Aécio e Gilmar a tentativa de barrar Lava Jato

Andrea Neves, teria feito o primeiro contato com o empresário Joesley Batista. O tucano indicou seu primo Frederico para receber o dinheiro. Mendherson Souza, assessor de Zezé Perrella (PMDB-MG), teria sido o destinatário das supostas propinas. O dinheiro foi entregue pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, um dos sete delatores da JBS. Ao todo, foram quatro entregas de R$ 500 mil cada uma.

Mais conteúdo sobre:

Andrea Nevesoperação Lava Jato