Ambiente de alto desempenho só com linguagem de futuro

Ambiente de alto desempenho só com linguagem de futuro

Itamar Serpa*

18 de setembro de 2020 | 03h15

Itamar Serpa. Foto: Divulgação

Muito se discute no mundo empresarial sobre a melhor forma de se garantir o desempenho extraordinário de uma companhia. Por mais que não exista uma fórmula exata, podemos dizer que o investimento nas pessoas certas, com a criação de uma cultura de alto desempenho e com aplicação das três leis do desempenho, cria-se a possibilidade de alcançar resultados extraordinários, isso está correto? De certa forma, sim. Porém, precisamos ter cuidado para não errar na avaliação dos conceitos que estão disseminados por toda empresa e fazem parte da cultura do negócio. Por não saber como trabalhá-los em sinergia. Aí é que aplicamos o conceito do ambiente de alto desempenho.

Nesse modelo de trabalho, o foco e os objetivos do projeto estão sempre alinhados com a equipe desde o seu início. Todos trabalham em harmonia e seguem um líder, que serve como figura inspiradora a todos e sempre deixa muito claro o que espera especificamente de cada membro. É importante ressaltar que por mais que seja um ambiente colaborativo, isso não significa que as pessoas tenham de ser todas iguais e pensarem da mesma maneira.

Isso porque um ambiente de alto desempenho não é exatamente homogêneo. Ele reúne pessoas de diferentes etnias, especialidades, gêneros e ideias. Dessa forma, por meio de uma liderança inspiradora, toda essa variedade se torna um recurso valioso, colaborando para que a equipe esteja em constante desenvolvimento, absorva as melhores práticas e seja extraordinariamente produtiva. Por mais que surjam divergências ao longo do caminho, os colaboradores sempre encontrarão um denominador comum e a saída mais racional em prol dos objetivos do projeto futurista, e por vezes disruptivo.

O aspecto mais importante é a linguagem. Ela é sempre declarativa, comporta métrica generativa e não trabalha com aproximações ou aleatoriedades, mas sempre mede as oportunidades e riscos de forma exata. Por esse motivo, verbos como “tentar” são evitados, pois tudo é sempre medido. Por exemplo, se algo está melhor, é em relação ao quê? Uma expressão que as pessoas usam muito e devem parar em um ambiente de alto desempenho é “as coisas estão indo”. Que coisas? Vão para onde? Sem métricas, o discurso não é permitido. É proibido tais expressões! 

A linguagem é sempre precisa, afirmativa e regenerativa, transformando as pessoas, fazendo elas agirem. É baseada no futuro e nas ações que faremos hoje para chegar nesse futuro inventado. Todos trabalham orientados no objetivo central da companhia, que pode ser o lucro, entrega de um determinado serviço ou o seu propósito (PTM). No cenário ideal, as pessoas possuem autoliderança para todo o corpo de colaboradores  e são ouvidas pelos seus superiores, que têm que dar a função máxima de inspirar pelo exemplo.

O fato é que o ambiente de alto desempenho exige uma quebra de paradigmas nas companhias. O gestor não pode ter preconceitos e deve estar apto a trabalhar com a diversidade, já que as equipes são formadas por indivíduos com diferentes bagagens. Desde que o líder tenha em mente que o seu papel é de conectar pessoas e tirar o melhor de cada uma delas, ele deverá fazer seu dever com maestria. Cada um coordena do seu jeito e implementa uma maneira distinta de resolver os problemas. Dessa maneira, respeitando as divergências e sempre com muito pragmatismo, os objetivos são concluídos e a empresa consegue atingir seu resultado extraordinário.

*Itamar Serpa, presidente e fundador da Embelleze

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.