Alto preço de passagem aérea adia remoção dos operadores do PMDB para depois do carnaval

Alto preço de passagem aérea adia remoção dos operadores do PMDB para depois do carnaval

Jorge Luz e seu filho Bruno, apontados como operadores de mais de US$ 40 milhões de propina para o PMDB, estão presos em Brasília desde a manhã deste sábado e serão levados para Curitiba somente na quinta-feira, 1º

Edson Fonseca, especial para o Estado

25 de fevereiro de 2017 | 10h56

Os lobistas ligados ao PMDB Jorge Luz e seu filho Bruno Luz, presos em Miami, nos Estados Unidos, serão transferidos para Curitiba na quinta-feira. Os dois foram presos  pela Interpol na última sexta-feira e transferidos para Brasília. De acordo com a superintendência da Polícia Federal, o transporte dos dois foi adiado para quinta-feira por causa do alto preço das passagens aéreas durante o carnaval.

Jorge e Bruno chegaram a Brasília na manhã deste sábado e em seguida passaram por exames do Instituto Médico Legal. Os dois estão presos na sede da Polícia Federal da capital federal. Eles estavam na lista de procurados pela Interpol. Bruno Luz foi abordado pela polícia de imigração dos Estados Unidos e afirmou que ele e o pai já estavam com as passagens compradas para o Brasil.

Os dois tiveram a prisão decretada pelo juiz Sérgio Moro, na 38ª fase da Operação Lava Jato. Eles são acusados de intermediar propinas entre empresas que pretendiam fazer contratos com a Petrobras e políticos do PMDB. Ao todo, eles teriam repassado cerca de US$ 40 milhões aos peemedebistas, principalmente senadores. Nas operações, teriam sido utilizadas contas bancárias na Suíça e nas Bahamas.

Tudo o que sabemos sobre:

Jorge LuzBruno LuzPMDBLava Jato

Tendências: