Allah Akbar

Allah Akbar

Amanda do Valle Correa Ramos

18 Novembro 2015 | 04h30

Foto: Christian Hartmann/Reuters

Foto: Christian Hartmann/Reuters

Essas foram talvez as últimas palavras ouvidas por muitos presentes na casa de show Bataclan na noite de 13 de novembro em Paris antes de serem covardemente assassinados em nome desse tal « Deus é soberano »… Allah Akbar…

Em nome de Deus, Allah, Messias, Jeová ou seja lá que nome possa ter, aqueles que dizem trabalhar por sua obra e seu nome deveriam fazer ecoar qualquer som que fosse, menos o de balas de fuzis e armas de guerra.

Em nome de Deus…. A palavra ‘’Deus’’ alude o significado de ‘O Ser supremo ; o espírito infinito e eterno, criador e preservador do Universo’. Allah Akbar… e tiros… Allah Akbar… e mortes… Allah Akbar… e explosões… Allah Akbar…
Se Deus cria e preserva, em nome de quem esses insanos tiram a vida de inocentes ? Não em nome de Deus ! Deus é amor, vida e não terror e destruição. Deus não manda que vidas sejam ceifadas em seu nome. Seu próprio filho morreu para nos salvar, pedindo perdão ao Pai em nome daqueles que o sacrificavam pois ‘não sabiam o que estavam fazendo’. Allah Akbar…

A Torá prega pelo livo Êxodos 20:13 que ‘não matarás’. O novo testamento através de Mateus 5:21 repete o mesmo rito. O Corão fala pelo Al- Isrá 17 :33 ‘não mateis o ser que Deus vedou matar (…)’. Mas matam… Mas matamos !
Arma não é religião ! Os assassinos matam em seu próprio nome e em nome daqueles que o ‘lideram’. Eles não tem, no fundo, nenhuma religião ou filosofia, eles não são nada além de ódio e ignorância, mas como evitar que esse ódio e essa ignorância nos tomem cada dia mais de assalto ? Allah Akbar…

Os dirigentes do mundo deixaram o Estado Islâmico crescer e até de certa forma prosperar. Em nome da liberdade de expressão, acabamos permitindo que os mentores do ódio destilassem seu chamado de extermínio. Em nome de interesses financeiros, não fomos capazes de perceber que estávamos estendendo um tapete vermelho ao terror, que hoje, se pinta com a cor do sangue de milhares de vidas tomadas em todo mundo.

O terror hoje empunha armas poderosas, face às quais não existe técnica de defesa e deixam como resposta aos estambidos em fúria, o soluço do medo e a lágrima da dor. Falam em dia do juízo, mas o Profeta mesmo diz ser esse o dia em que nenhuma alma poderá advogar por outra, porque o mando, nesse dia, será unicamente de Deus… então qual a razão de agirem como executores de uma sentença por eles mesmos imposta áqueles que nem ao menos se sabiam em julgamento ? Se em seu livro sagrado o Profeta diz que nenhum pecador arcará com a culpa alheia, porque se julgam acima de suas próprias leis sagradas e espalham medo, ódio e destruição ? Será que todas as pessoas que morreram nos ataques promovidos por essa insanidade toda, eram todos eles pecadores culpados ? Quem os julgou ? Quem os condenou ? O Profeta ? Em nome de quem, e de que ? Allah Akbar…

Na última sexta-feira 13, o julgamento, unilateral, entrou em fase de execução aos considerados culpados e o mundo ficou de joelhos. De joelhos não como sinal de fraqueza ou redenção ao terror, mas em sinal de dor e impotência. Culpados de que ? Acusados de que ? Allah Akbar…

Não nos ajoelharemos cabisbaixos ao terror que o Estado Islâmico impõe hoje ao mundo. Não nos ajoelharemos ao medo que querem fazer valer como lei universal. Não usarão a dor das inúmeras famílias das vítimas inocentes dessa barbárie para colocar toda a nação de joelhos frente ao terror e ao medo.

Allah Akbar… Sim, Deus é soberano ! Mas não esse Deus cruel e assassino defendido e, permita-me o julgamento de valores, criado pelos radicais do medo que é soberano. O Deus do amor e da justiça, da igualdade e do bem, esse sim é o NOSSO Deus e ele sim, é soberano. Ele dá vida, e não as tira. Ele julga, Ele determina. A vida de um ser humano não pode ser determinada nem por mim, nem por você que usa seu nome para gritar a morte e o terror.

Se hoje o mundo se veste de azul branco e vermelho mostrando sermos todos solidários, um aviso : nunca seremos covardes como vocês ! Allah Akbar…

* Amanda do Valle Correa Ramos – brasileira que vive em Paris há 5 anos.

Mais conteúdo sobre:

Estado IslâmicoParisterrorismo