Aline Corrêa ficava numa ‘saia justa’ com os pedidos do pai, diz testemunha

Aline Corrêa ficava numa ‘saia justa’ com os pedidos do pai, diz testemunha

Deputada Gorete Pereira (PR/CE) disse à Justiça Federal que Aline Corrêa, ex-deputada, reclamava das interferências de Pedro Corrêa, ex-líder do PP, preso na Lava Jato

Redação

25 de agosto de 2015 | 14h22

Aline Corrêa. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Aline Corrêa. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Por Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

A deputada Gorete Pereira (PR/CE) declarou à Justiça Federal que a ex-deputada Aline Corrêa (PP/SP) ‘ficava numa saia justa muito grande’ em meio a ‘interferências’ do pai – o ex-deputado Pedro Corrêa (PP/PE) – que lhe pedia para nomear indicados em seu gabinete na Câmara.

Gorete depôs na semana passada como testemunha de defesa de Aline Corrêa, ré em ação penal da Operação Lava Jato por suposto envolvimento no esquema de corrupção e propinas na Petrobrás e em supostas fraudes em contratos de publicidade com órgãos públicos.

Também são acusados nessa etapa da Lava Jato os ex-deputados Luiz Argôlo (SD/BA), André Vargas (PT/PR) e o pai de Aline, Pedro Corrêa. Os três ex-parlamentares estão presos em Curitiba, base da Lava Jato.

Gorete Pereira relatou à Justiça Federal que Aline a procurou (para indica-la como sua testemunha de defesa) e perguntou se ela se lembrava de sua preocupação no início do mandato, em 2011, com as interferências do pai. “Ela me perguntou o seguinte: ‘Gorete, você se lembra, quando eu estava no início do mandato, da preocupação que eu tinha com o meu pai interferindo, querendo colocar pessoas no meu gabinete e eu aperreada porque não podia? eu ficava numa saia justa muito grande de colocar funcionário’.”

Gorete diz ter respondido à ex-colega da Câmara. “Pronto, me lembro. É uma das preocupações que você tinha. Aí ela disse: ‘você pode dizer que ouviu de mim essas preocupações e até ajudou a dizer que era isso que realmente acontecia?’ Ela (Aline) reportava essa preocupação de que o pai estava interferindo.”

Na audiência foi perguntado à deputada do PR cearense se a influência que Aline Corrêa comentou dizia respeito a indicações de pessoas para o gabinete dela. “Eu acredito que só podia ser, porque a preocupação dela era que preferia ter uma autonomia maior, mas ficava sofrendo interferências. Eu não sei se em termos de projetos dela também tinha interferência.”

Indagada se sabe quais foram as razões de Aline não mais se candidatar a um novo mandato, Gorete declarou. “(Aline) disse que ia dar um tempo porque a política estava respingando muita coisa sobre ela.”

Ela disse, ainda, que Aline ‘sempre demonstrava preocupação muito grande com a criança, o adolescente, com o idoso’. Gorete afirmou que ‘não sofre influência porque não tem nenhum membro da sua família na política’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.