Aliança da Terra e Guantánamo (Gitmo)

Aliança da Terra e Guantánamo (Gitmo)

Luiz Paulo Ferreira Pinto Fazzio*

17 de janeiro de 2019 | 05h00

Luiz Paulo Ferreira Pinto Fazzio. FOTO: Arquivo Pessoal

Os Estados Unidos (em 1903) assinaram com Cuba um contrato de arrendamento perpétuo de 116 km² de terra e água na baía de Gitmo (ilha de Cuba). O propósito era mineração e operações navais.

Investigações (e possível indiciamento) sobre presidente (na época em exercício) que determina espionagem (usando agências de inteligência do governo) da campanha de candidato a presidente de seu próprio país (posteriormente eleito).

Investigações (e possível indiciamento) sobre ex-presidente e esposa, ex-secretária de estado, que utilizam fundação para cometer (e encobrir) crimes (dentre outros, contras crianças).

(Possíveis) Investigações sobre bilionários que doam parte de suas fortunas para criar centenas de organizações sociais em dezenas de países com o propósito de enganar, mentir e manipular os cidadãos e usá-los para contribuir na implantação de determinada agenda (genocida).

Membros de poucas dezenas de famílias que usam seu poder (centenário) financeiro, político (por meio de seus fantoches), econômico (poder que, para alguns, também é sobre-humano) para controlar (escravizar) mais de 7 bilhões de seres humanos que habitam a Terra.

Tecnologia empregada para alterar o clima (não para melhorar as condições de vida humana) e beneficiar lucros com produtos financeiros negociados em bolsas (seguros de safra, derivativos de clima, entre outros).

Tecnologia transferida, pronta para ser aplicada, capaz de solucionar os principais problemas ambientais-climáticos que preocupam a humanidade e tiram milhares de vidas (não divulgada por interesses financeiros e econômicos).

Mais de 21 trilhões de dólares dos bolsos dos contribuintes (americanos) aplicados em programas secretos (não auditados até o momento).

Medicamentos que curam determinadas doenças (que já mataram milhões de seres humanos) não comercializados por interesses financeiros (lucros gerados com patentes) de grandes farmacêuticas.

Seria o ser humano um vírus letal, questionam alguns (não é possível generalizarmos).

Há tecnologia (indiscutivelmente), embarcada no próprio ser humano, que permite cessar comportamentos desumanos, como alguns dos mencionados.

O ideal (o mais cômodo para todos que leem este artigo) seria que todas essas situações descritas não passassem de “teoria da conspiração” (jamais tivessem ocorrido). Para muitos, de tão desumanas, é inimaginável (muito difícil, quase impossível de reconhecer como realidade).

O fato é que os crimes (muitos contra a humanidade) estão sendo descobertos, os criminosos identificados e que a Justiça está chegando (e nada poderá pará-la, nem o poder que está por trás deles).

O processo de drenagem do pântano avança (e não se limita a um único território ou país). Os cidadãos que praticaram condutas passíveis de enquadramento como crimes militares (após julgamento) deverão ser presos em Gitmo.

A responsabilidade pela drenagem do pântano (e, sobretudo, a responsabilidade para evitar que ele aumente ou mesmo que volte a se formar no futuro) é de todas as consciências patriotas (entendida a Terra como pátria).

Com tantas galáxias e planetas podendo ser explorados (com a tecnologia existente e, talvez, não revelada, aqui seria o caso de recordar sobre as atividades do Nikolas Tesla, mas o espaço não permite), não parece inteligente continuarmos permitindo que (forças sombrias-desumanas) nos dividam (por meio de instrumentos diversos, dentre eles, teorias políticas genocidas, nefastas) para em seguida nos destruir (neste espaço não é o caso de voltar às causas das duas grandes guerras, da guerra ao terror e do surgimento de alguns vírus).

Muitas traições a nossa pátria (ao Brasil) ocorreram (e ainda ocorrem) desde 1988 (vamos limitar ao ano da publicação da nossa Constituição) e precisam (serão) ser investigadas (para que, se for o caso, as pessoas sejam responsabilizadas, nos termos da lei).

Nós, o povo, impomos que os valores humanos e a humanidade sejam (verdadeiramente) conservados, preservados, protegidos, defendidos e promovidos. Independente do lugar em que nos manifestemos (familiar, social ou profissionalmente), somos agentes desse processo, com maior ou menor consciência. Nós, o povo.

Pouco se fala (não é de interesse dos controladores), mas expandir a consciência (pesquisando, estudando e expondo os objetivos, os agentes, as estruturas e os processos por meio dos quais ainda tentam bloquear informações que levarão a verdadeira qualidade de vida na Terra) e guardar a humanidade (nesses tempos de aceleradas informações e revelações) pode ser a missão de cada um de nós, fazendo parte de uma grande Aliança da Terra (é importante rememorarmos a atuação de John Fitzgerald Kennedy, dentre outros grandes seres humanos que atuaram nesse processo de revelação em benefício da humanidade).

A escolha é sempre sua.

*Luiz Paulo Ferreira Pinto Fazzio, advogado

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.