Aliados de Paulinho da Força são soltos após prisão em operação

Aliados de Paulinho da Força são soltos após prisão em operação

Vice-presidente da Força Sindical e chefe de gabinete foram alvo na Operação Registro Espúrio

Breno Pires e Teo Cury/BRASÍLIA

09 Junho 2018 | 05h00

Força Sindical foi alvo da Operação Registro Espúrio, deflagrada no dia 30 de maio de 2018. FOTO: HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Dois aliados do deputado Paulinho da Força Sindical (Solidariedade-SP) foram soltos pela Polícia Federal em São Paulo após o cumprimento do prazo de 5 dias da prisão temporária determinada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

+++PF vê depósito da UGT como indício de propina

+++Investigação aponta disputa em secretaria

Um deles é Paulo Roberto Ferrari, vice-presidente da Força Sindical. Também foi solto Marcelo de Lima Cavalcante, chefe de gabinete do Deputado Paulo Pereira da Silva.

+++PTB e Solidariedade ‘tomaram de assalto’ o Ministério do Trabalho, diz PF

Eles são apontados como pessoas que atuavam em busca de influenciar rumos de processos de registro de sindicatos no Ministério do Trabalho de acordo com os interesses do deputado Paulinho da Força Sindical.

+++Paulinho da Força pegou R$ 1 milhão em propina para dar ‘tutoria’ à Odebrecht

Ferrari é também presidente do Sindicato dos Empregados de Edifícios de São Paulo (SINDIFICIOS), da Federação Nacional dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios (FENATEC) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios (CONATEC).

+++Ministério do Trabalho afasta servidores investigados na Registro Espúrio

Além dos dois, já havia sido libertado o sindicalista Ruy Queiroz de Amorim, que, como mostrou o Estado, foi preso por engano pela Polícia Federal. Outro preso libertado foi o advogado Hudson Silva, da União Geral dos Trabalhadores (UGT) – neste caso, porque o quadro de saúde era grave.

+++‘Um pedido de desculpas é o mínimo’

O ministro Edson Fachin, nesta sexta-feira, 8, pediu manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), em até 48 horas, a respeito dos pedidos de liberdade de outros 15 investigados presos na Operação Registro Espúrio, que atingiu em cheio um esquema criminoso atuante no Ministério do Trabalho. Um dos 15, no entanto, já foi libertado, segundo a defesa. É o advogado Carlos Artur Barboza.

+++Polícia investiga origem de repasses no Ministério do Trabalho

+++Trabalho diz que abriu sindicância

O advogado Marlon Charles Bertol, destacou grave estado de saúde do investigado. Barboza é apontado como parte do núcleo captador do esquema criminoso que praticou fraudes e corrupção no direcionamento de registros sindicais no Ministério do Trabalho, Barboza foi solto na tarde desta sexta-feira, de acordo com seu advogado. O gabinete não respondeu à reportagem sobre a soltura do investigado.

Deflagrada pela Polícia Federal em 30 de maio, a Registro Espúrio investiga suposta organização criminosa formada por políticos, lobistas, dirigentes de sindicatos e funcionários públicos que atuavam na negociação para liberar registro sindical pelo ministério.