Aliados de Bolsonaro na mira da PF por fake news vão às redes contra ‘ditadura do Supremo’

Aliados de Bolsonaro na mira da PF por fake news vão às redes contra ‘ditadura do Supremo’

De ativista a ex-deputado, apoiadores do presidente foram alvos de busca e apreensão em inquérito que apura ameaças, ofensas e notícias falsas contra ministros do STF

Rayssa Motta

27 de maio de 2020 | 11h33

Um grupo heterogêneo de aliados bolsonaristas é alvo, na manhã desta quarta-feira, 27, de uma operação da Polícia Federal deflagrada por ordem do Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do ‘inquérito das fake news‘, que investiga ameaças, ofensas e notícias falsas disparadas virtualmente contra os integrantes da Corte e seus familiares.

A PF cumpre 29 mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ), ao deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), ao blogueiro Alllan dos Santos, ao empresário Luciano Hang, a ativista Sara Winter, o humorista Rey Bianchi e a outros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

O grupo, muito ativo na internet, foi às redes sociais se manifestar contra o STF e denunciar uma suposta politização da Corte.

O deputado estadual Douglas Garcia durante votação orçamentária na Alesp. Foto: Alex Silva / Estadão

Em sua conta no Twitter, o deputado paulista Douglas Garcia publicou um vídeo em que diz sofrer “perseguição no inquérito inconstitucional estabelecido pela ditatoga com o intuito de criminalizar a liberdade de expressão e a atividade parlamentar”.

O parlamentar pediu ainda que o Senado se manifeste diante do “terrorismo de Estado propagado pelo STF através do inquérito inconstitucional”.

A ativista bolsonarista Sara Winter. Foto: Instagram / Reprodução

A ativista conservadora Sara Winter teve celular e computador apreendidos na ação. Nas redes sociais, ela criticou o ministro Alexandre de Moraes. “Comprovou que está a serviço de uma ditadura do judiciário”, escreveu em sua conta no Twitter.

Em transmissão ao vivo nas redes, o blogueiro Alllan dos Santos classificou o processo como inconstitucional, se referiu aos integrante do Supremo como “patetas” e criticou diretamente Alexandre de Moraes. “Tem que rir da cara desses patetas, continuar rindo da cara deles. Eles querem intimidar: ‘cuidado, eu tenho poder policial’. Você não tem poder nenhum, você tem a letra da lei”, criticou Santos. “Qual o poder que Alexandre de Moraes tem? Ele vai deixar de ser ministro da Suprema Corte e vai ser lembrado como o homem que envergonhou a história da Suprema Corte brasileira. Ele vai ser conhecido mundialmente como o ministro brasileiro que agiu como um ministro do Kim Jong-un [líder norte-coreano], do Xi Jinping [presidente da China], um ministro de Cuba ou do [Vladmir] Putin, da Rússia. Ele destruiu a honra da Suprema Corte”.

Allan dos Santos, blogueiro do site Terça Livre é alvo de mandado de busca expedido pelo ministro Alezandre de Moraes. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Apesar de não ser alvo da operação de hoje, o filho 02 do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), classificou o inquérito como “inconstitucional, político e ideológico”. Carlos lidera o chamado “gabinete do ódio”, departamento que funciona no terceiro andar do Planalto, ao lado da sala do presidente, onde atuam assessores responsáveis pelas redes sociais pessoais de Bolsonaro.

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson Foto: JF DIORIO/ESTADÃO

Um dos mais novos aliado de Jair Bolsonaro, o ex-deputado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, teve computadores e armas apreendidos pela Polícia Federal na manhã de hoje. Ele se referiu ao STF como “tribunal do Reich”, em referência à Alemanha nazista. “Atitude soez, covarde, canalha e intimidatória, determinada pelo mais desqualificado Ministro da Corte”, escreveu.

No início do mês, Jefferson já havia defendido que Bolsonaro “demitir e substituir os 11 ministros do STF”, o que é inconstitucional. Os ministros da Corte, assim como o presidente, só podem ser destituídos dos cargos em caso de condenação por crimes de responsabilidade, em processo que correria no Senado Federal.

Assim como os outros alvos da ação de hoje, o empresário Luciano Havan, um dos financiadores da campanha bolsonarista, também teve celular e computador apreendidos. Ele é suspeito de patrocinar o disparo de notícias falsas contra os ministros do Supremo. “Jamais atentei ou fiz fake news contra o STF. Dessa forma, entregando o meu celular, entregando o meu computador pessoal, vai estar tudo esclarecido”, disse aos seguidores em vídeo publicado no Twitter.

A Polícia Federal também foi ao apartamento do humorista Rey Bianchi. Em vídeo gravado pelo próprio comediante, ele mostra mostra o mandado judicial recebido e afirma que os agentes foram até ele para prendê-lo. “A mando do STF, pasmem, a Polícia Federal foi na minha casa para me prender! Acham que fiquei com medo? Sou honrado, íntegro e a Verdade está ao meu lado! Pra combater a corrupção, a injustiça, contem comigo! E não, não fui preso”, postou.

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) não está entre os alvos da operação de hoje, mas é alvo da mesma investigação sigilosa que desencadeou a operação de hoje. Ela criticou a ação da Polícia Federal nas redes sociais e afirmou que o inquérito é “ilegal e inconstitucional”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: