Alfabetização de dados: novo requisito para sobrevivência das organizações

Alfabetização de dados: novo requisito para sobrevivência das organizações

Cesar Ripari*

05 de agosto de 2021 | 05h30

Cesar Ripari. FOTO: DIVULGAÇÃO

A capacidade de interpretar dados está entre as principais habilidades do profissional do futuro. Isso porque de nada adianta coletar, gerar e processar dados sem que seja possível extrair os insights para a tomada de decisão. É fundamental conseguir ler, trabalhar, analisar e se comunicar com dados, assim como é necessário saber como armazenar, organizar e proteger aqueles que realmente são relevantes para o negócio, isto é, que irão gerar insights úteis para a tomada de decisão.

O Índice de Alfabetização de Dados (Data Literacy Index, em inglês), demonstra que 93% dos líderes empresariais globais acreditam que é vital que seus funcionários sejam alfabetizados em dados. Ainda assim, apenas 21% da força de trabalho global se sente confiante em suas habilidades de alfabetização nessa área e somente um em cada quatro funcionários se sente totalmente preparado para usar os dados de forma eficaz ao ingressar em sua função.

Diferentemente do que a maioria das pessoas pensa, a alfabetização em dados não é limitada àqueles que têm a análise como parte do escopo de trabalho. Essa é uma habilidade importante para todos, tanto no âmbito profissional quanto pessoal.

O Projeto de Alfabetização de Dados afirma que a alfabetização de dados da força de trabalho tem correlação com o desempenho positivo das corporações. Para estas, aderir à cultura data driven – na qual os processos e as decisões são orientadas por uma análise completa das informações – traz uma série de vantagens importantes, como assertividade nas decisões e em planejamentos estratégicos, além da preparação das equipes para mudanças que podem ocorrer no mercado e no comportamento do cliente.

A organização orientada por dados coloca a análise das informações no centro de sua estratégia de negócios. Com isso, é possível reduzir erros e custos, otimizar o tempo e conquistar melhores resultados.

Com o volume de dados crescendo em velocidade sem precedentes, sobretudo neste período de pandemia, é cada vez mais urgente entender o que eles significam e como usá-los. A interpretação de dados para a tomada de decisão já deixou de ser uma vantagem competitiva para se tornar um requisito vital para sobreviver no mercado.

*Cesar Ripari é diretor de Pré-vendas da Qlik para América Latina

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.