Alexandre vota pelo desmembramento e diverge de Fachin sobre mandar investigações para Moro

Durante seu voto, para sustentar a decisão de não deixar com a 13° Vara Federal de Curitiba as investigações, ministro do STF disse que os fatos que geraram os inquéritos em questão não são relacionados à Petrobras

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

19 de dezembro de 2017 | 11h30

Ministro Alexandre de Moraes, do STF. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta segunda-feira (18) para tirar do juiz federal Sérgio Moro as investigações contra o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), no âmbito do julgamento sobre a extensão da imunidade presidencial e o desmembramento das investigações do “quadrilhão do PMDB da Câmara”.

+ Promotoria acusa Kassab por R$ 21 mi da Odebrecht

Ele divergiu parcialmente do voto proferido pelo ministro Edson Fachin, proferido na semana passada, quando o julgamento foi iniciado, afirmando que os casos deveriam ir para a Justiça Federal de Brasília. Moraes acompanhou Fachin ao se posicionar contra a extensão da imunidade presidencial aos outros investigados no “quadrilhão do PMDB”.

+ Marcelo Odebrecht chega em casa

Durante seu voto, para sustentar a decisão de não deixar com a 13° Vara Federal de Curitiba as investigações, Moraes disse que os fatos que geraram os inquéritos em questão não são relacionados à Petrobras. “Não se pode transformar a 13° Vara de Curitiba em juízo universal de todos os fatos ligados eventualmente a pessoas que também lá estão sendo processadas. Os fatos já julgados em Curitiba na verdade não chamam a prevenção da 13° Vara Federal”, disse Moraes.

+ ‘Há um país que se perdeu pelo caminho’, diz Barroso sobre tanta corrupção

“A questão Lava Jato ficou uma marca. A própria imprensa diz “Lava Jato do Rio de Janeiro”, “Lava Jato do Mato Grosso”, “Lava Jato…”, mas os fatos que que geraram a Lava Jato são fatos relacionados à Petrobras”, disse Moraes.

+ Gilmar veta condução coercitiva ‘para interrogatório’

Enquanto que para as investigações em torno de Cunha, Geddel Joesley Batista e Ricardo Saud, Moraes decidiu pela livre distribuição na Justiça de Brasília, o ministro pediu que a investigação de André Esteves seja remetida a 10° Vara Federal de Brasília, uma vez que lá já está em andamento uma investigação de mesmo âmbito dos crimes apontados nos inquéritos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.