Alexandre vota pelo desmembramento e diverge de Fachin sobre mandar investigações para Moro

Durante seu voto, para sustentar a decisão de não deixar com a 13° Vara Federal de Curitiba as investigações, ministro do STF disse que os fatos que geraram os inquéritos em questão não são relacionados à Petrobras

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

19 Dezembro 2017 | 11h30

Ministro Alexandre de Moraes, do STF. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta segunda-feira (18) para tirar do juiz federal Sérgio Moro as investigações contra o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), no âmbito do julgamento sobre a extensão da imunidade presidencial e o desmembramento das investigações do “quadrilhão do PMDB da Câmara”.

+ Promotoria acusa Kassab por R$ 21 mi da Odebrecht

Ele divergiu parcialmente do voto proferido pelo ministro Edson Fachin, proferido na semana passada, quando o julgamento foi iniciado, afirmando que os casos deveriam ir para a Justiça Federal de Brasília. Moraes acompanhou Fachin ao se posicionar contra a extensão da imunidade presidencial aos outros investigados no “quadrilhão do PMDB”.

+ Marcelo Odebrecht chega em casa

Durante seu voto, para sustentar a decisão de não deixar com a 13° Vara Federal de Curitiba as investigações, Moraes disse que os fatos que geraram os inquéritos em questão não são relacionados à Petrobras. “Não se pode transformar a 13° Vara de Curitiba em juízo universal de todos os fatos ligados eventualmente a pessoas que também lá estão sendo processadas. Os fatos já julgados em Curitiba na verdade não chamam a prevenção da 13° Vara Federal”, disse Moraes.

+ ‘Há um país que se perdeu pelo caminho’, diz Barroso sobre tanta corrupção

“A questão Lava Jato ficou uma marca. A própria imprensa diz “Lava Jato do Rio de Janeiro”, “Lava Jato do Mato Grosso”, “Lava Jato…”, mas os fatos que que geraram a Lava Jato são fatos relacionados à Petrobras”, disse Moraes.

+ Gilmar veta condução coercitiva ‘para interrogatório’

Enquanto que para as investigações em torno de Cunha, Geddel Joesley Batista e Ricardo Saud, Moraes decidiu pela livre distribuição na Justiça de Brasília, o ministro pediu que a investigação de André Esteves seja remetida a 10° Vara Federal de Brasília, uma vez que lá já está em andamento uma investigação de mesmo âmbito dos crimes apontados nos inquéritos.