Alexandre vota pela admissão do recurso de Maluf

Alexandre vota pela admissão do recurso de Maluf

Ministro diverge do relator do caso, Edson Fachin, e acompanha a divergência apresentada por Dias Toffoli, segundo a votar na sessão de desta quarta, 18

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

18 de abril de 2018 | 18h38

EFE/Andre Coelho

Terceiro a votar na sessão plenária do Supremo Tribunal Federal (STF) desta quarta-feira, 18, o ministro Alexandre de Moraes se posicionou a favor da admissibilidade do recurso do deputado Paulo Maluf (PP-SP), que recorreu da condenação imposta pela Primeira Turma do STF em maio do ano passado. Na época, a turma do STF condenou o parlamentar a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em regime fechado.

Assim, o ministro diverge do relator do caso, ministro Edson Fachin, e acompanha a divergência apresentada por Dias Toffoli, segundo a votar na sessão de hoje. Ambos entendem que a defesa de Maluf pode apresentar os embargos infringentes contra a decisão que o condenou. Fachin, ao decretar a prisão de Maluf em dezembro do ano passado, negou de forma individual esse recurso. Contra isso, a defesa recorreu, o que é analisado neste momento pelo plenário.

Para Moraes, a questão se volta ao direito que o réu tem de recorrer da sentença. Segundo o ministro, a Corte já estabelece o cabimento de embargos infringentes, seja em decisão não unânime do plenário ou da turma.

No julgamento da Primeira Turma da ação penal de Maluf em maio do ano passado, o ministro Marco Aurélio Mello entendeu que havia prescrição no caso, reconhecendo a inexistência do direito de punir. Foi voto vencido nesse aspecto. A defesa do parlamentar ressalta essa divergência pontual para defender a possibilidade de embargos infringentes.

Moraes, que votou para que, em casos gerais, sejam cabíveis os embargos infringentes quando há um voto divergente em matéria de mérito, ressaltou que a posição de Marco Aurélio na ocasião foi de mérito. “Na 1ª Turma (ao condenar Maluf) tivemos quatro votos pela existência de punir, e um contrário. Não vejo como entender que não houve um voto favorável ao réu”, disse Moraes.

Os 11 ministros ainda não começaram a votar sobre o habeas corpus de Maluf. O parlamentar aguarda o referendo do colegiado sobre a decisão do ministro Dias Toffoli que autorizou sua transferência do Complexo Penitenciário da Papuda para prisão domiciliar, em 28 de março. ()

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.