Alexandre quebra sigilo de Salles e afasta presidente do Ibama

Alexandre quebra sigilo de Salles e afasta presidente do Ibama

Ministro do Supremo Tribunal Federal ainda afastou outros nove servidores do Ministério do Meio Ambiente e do Ibama, entre eles diretores, coordenadores, superintendente, secretário-adjunto, analista e assessor especial de Salles

Pepita Ortega e André Borges

19 de maio de 2021 | 08h50

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Adriano Machado / Reuters

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, decretou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e de servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no âmbito da Operação Akuanduba, aberta pela Polícia Federal na manhã desta quarta, 19.

O ministro ainda determinou o afastamento do presidente do do órgão, Eduardo Bim. Ele foi o responsável por assinar despacho, em fevereiro de 2020, liberando a exportação de madeira de origem nativa, sem a necessidade de uma autorização específica.

Tal ‘despacho interpretativo’ está no centro das investigações da ‘Akuanduba’ e foi suspenso, também por ordem do ministro do STF.

Além de Eduardo Bim, outros nove servidores do Ibama foram afastados de seus cargos:

  • Leopoldo Penteado Butkiewicz, assessor especial do gabinete do ministro do meio ambiente;
  • Wagner Tadeu Matiota, superintendente de apurações de infrações ambientais;
  • Olímpio Ferrera Magalhães, diretor de proteção ambiental;
  • João Pessoa Riograndense Moreira Júnior, diretor de uso sustentável da biodiversidade e florestas;
  • Rafael Freire de Macedo, coordenador-geral de monitoramento do uso da biodiversidade e comércio exterior;
  • Leslie Nelson Jardim Tavares, coordenador de operações de fiscalização;
  • André Heleno Azevedo Silveira, coordenador de inteligência de fiscalização;
  • Artur Vallinoto Bastos, analista ambiental;
  • Olivaldi Alves Azevedo Borges, secretário adjunto da secretaria de biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente;

O ministro do STF decretou a medida por considerar que tais agentes públicos teriam tido envolvimento direto com com o suposto esquema de facilitação ao contrabando de madeira.

As buscas da Polícia Federal contra Salles são realizadas em endereços residenciais do ministro em São Paulo, no endereço funcional em Brasília e também no gabinete que ele montou no Pará. Ao todo, a ofensiva deflagrada nesta manhã cumpre 35 mandados de busca e apreensão.

As medidas fazem parte de uma investigação que mira supostos crimes contra a administração pública – corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando – envolvendo agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

De acordo com a Polícia Federal, as apurações tiveram início em janeiro deste ano ‘a partir de informações obtidas junto a autoridades estrangeiras noticiando possível desvio de conduta de servidores públicos brasileiros no processo de exportação de madeira’.

A corporação informou que o nome da ofensiva, Akuanduba, faz referência a ‘uma divindade da mitologia dos índios Araras, que habitam o estado do Pará’.

“Segundo a lenda, se alguém cometesse algum excesso, contrariando as normas, a divindade fazia soar uma pequena flauta, restabelecendo a ordem”, registrou a PF em nota.

A reportagem tentou falar diretamente com Salles, que não atendeu às ligações.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.