Alexandre prorroga pela segunda vez inquérito das milícias digitais contra bolsonaristas

Alexandre prorroga pela segunda vez inquérito das milícias digitais contra bolsonaristas

Ministro dá mais 90 dias para Polícia Federal investigar articulações contra a democracia na internet e cita 'diligências em andamento'

Rayssa Motta

10 de janeiro de 2022 | 21h14

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, prorrogou por mais 90 dias o inquérito das milícias digitais. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu prorrogar por mais 90 dias o inquérito das milícias digitais. O prazo para conclusão da investigação já havia sido estendido em outubro, mas chegaria ao fim neste mês.

Documento

No despacho, o ministro diz que a decisão foi tomada considerando a ‘existência de diligências em andamento’.

A investigação foi aberta em julho do ano passado depois que o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu o arquivamento do inquérito dos atos antidemocráticos. Na prática, as duas apurações estão relacionadas, uma foi instaurada a partir da outra, e ambas atingem aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL).

O inquérito das milícias digitais se debruça sobre a atuação de grupos bolsonaristas na internet. A suspeita é que apoiadores do presidente tenham se organizado nas redes sociais para incentivar ataques contra as instituições e a democracia. A apuração também investiga se a articulação recebeu dinheiro público.

Um dos principais reveses sofridos pelo Planalto na investigação ocorreu no mês passado, quando a delegada federal Denisse Dias Rosas, responsável pelo caso, sugeriu que o próprio presidente seja investigado por promover desinformação sobre o sistema eletrônico de votação. A investigação também pegou o blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, foragido nos Estados Unidos, e o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), preso em agosto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.