Alexandre mantém preso sertanejo Rick Ribeiro

Alexandre mantém preso sertanejo Rick Ribeiro

Cantor é acusado de fraudes bancárias pela internet e está detido desde 17 de setembro de 2018

Naiara Albuquerque, especial para o Blog

06 de junho de 2019 | 09h49

Foto: Reprodução/Facebook

O ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, negou recurso de habeas corpus da defesa do cantor sertanejo Luiz Henrique Ribeiro da Costa Lesniovski. Mais conhecido como Rick Ribeiro, o cantor foi preso em 17 de setembro de 2018 a partir de uma denúncia que aponta que ele é um dos líderes de uma organização que praticava fraudes bancárias na internet com hackers. A prisão do cantor faz parte da investigação da segunda fase da Operação Opens Doors.

A decisão do ministro Alexandre de Moraes considerou que a prisão preventiva do cantor ‘está embasada em fundamentação jurídica válida, chancelada pela jurisprudência do STF’.

Foto: Reprodução/Facebook

A decisão que manteve Rick Ribeiro preso em 2018 foi dada pelo juízo da 2.ª Vara Criminal de Barra Mansa, no Rio, com o fundamento da ‘manutenção da ordem pública e econômica e da aplicação da lei penal’.

Segundo o Ministério Público do Rio, Rick Ribeiro usava o codinome ‘Striker’ no meio hacker. Na denúncia, o cantor sertanejo também foi apontado como um dos líderes da organização. Em 2018, além de Rick Ribeiro, 29 suspeitos foram presos.

As informações foram publicadas no site do Supremo nesta quarta, 5.

Foto: Reprodução/Facebook

A decisão de Alexandre considerou que a prisão preventiva do cantor ‘está embasada em fundamentação jurídica válida, chancelada pela jurisprudência do STF’.

A prisão do cantor foi questionada em diversas instâncias, e passou pelo Tribunal de Justiça do Rio e Superior Tribunal de Justiça, porém, a defesa de Rick Ribeiro não obteve sucesso.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO DE DEFESA DE RICK RIBEIRO

Rodrigo Ribeiro, advogado de defesa de Rick Ribeiro, informou que vai recorrer mais uma vez contra a decisão da Corte. “Essa questão tem uma ilegalidade enorme e nosso recurso será endereçado para a Segunda Turma julgadora do Supremo”, disse.

O advogado de defesa acredita na ‘inocência e na liberdade’ e diz que o STF está buscando ‘apenas números’ com a prisão do cantor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.